segunda-feira, março 26, 2012

Vidas que Foram Versos


THEREZA LEITÃO DE BARROS

Lisboa, 1930
Oficinas Gráficas de Bertrand (Irmãos), Lda. [ed. da Autora ?]
[1.ª edição]
26,5 cm x 20 cm
32 págs.
subtítulo: Inspiradoras de Poetas Portugueses – Conferência
capa e vinheta-cabeçalho de T [Cottinelli Telmo]
exemplar como novo e por abrir
de grande interesse para a história do feminismo
peça de colecção

35,00 eur

Depois de referir extensamente a presença da mulher no rol da poesia portuguesa desde as suas origens, a Autora profere uma notável declaração de encerramento da sessão realizada «durante o certame “Mulheres Portuguesas”»:
«[...] Antes de terminar, eu saùdo, de preferência, as mulheres que não são, que jámais virão a ser musas de poetas célebres. [...]
Não, a nossa hora já não permite a existência de vidas que sejam apenas versos, que sejam integralmente sugestivas de arte. Hoje, a mulher que sabe honrar êste nome, quererá antes deixar, pelo seu trabalho, pela sua combatividade em favor duma nobre causa, dum ideal qualquer, um rasto de prosa... Ela própria quererá ser antes um trecho de prosa dura, talvez amassada com esfôrço, talvez desgrenhada e dolorosa, do que ser a inspiradora, socialmente inútil, magnífica e distante, dum poeta apaixonado. [...]»


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Escritoras de Portugal


THEREZA LEITÃO DE BARROS
pref. Agostinho Campos

Lisboa, 1924 (aliás, 1927)
[ed. Autora]
1.ª edição
2 volumes (completo)
22,7 cm x 16,5 cm
250 págs. + [392 págs. + 1 folha em extra-texto]
subtítulo: Génio feminino revelado na Literatura Portuguesa
exemplares em bom estado de conservação; miolo limpo, por abrir, com ocasionais picos de acidez
é o n.º 201 [?] da tiragem em papel superior [não assinado]
75,00 eur (IVA e portes incluídos)

Com raízes antigas, em Luísa Sigêa, Joana Vaz, Paula Vicente ou Públia Hortênsia, é aqui justamente exaltada a actividade intelectual portuguesa no feminino.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, março 20, 2012

Antígona



SÓFOCLES
[António Sérgio]

Porto, 1930
Edição da República
[1.ª edição]
19,4 cm x 13,4 cm
124 págs.
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
17,00 eur


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, março 14, 2012

Elogio Historico do Architecto Civil José da Costa Sequeira


JOAQUIM POSSIDONIO NARCIZO DA SILVA

Lisboa, 1873
Lallemant Frères Imprimeurs
1.ª edição
22,6 cm x 14,2 cm
16 págs.
exemplar muito estimado; miolo limpo
discreto carimbo-monograma de posse no canto inferior direito do frontispício
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Discípulo dos arquitectos Francisco Xavier Fabri e António Francisco Rosa, dele ficaram para a posteridade alguns trabalhos seus de renovação da vila de Cascais, assim como a traça e direcção de obra do Jardim de São Pedro de Alcântara em Lisboa. Entre as muitas participações suas prestadas ao Estado vamos encontrá-lo como júri de dois projectos marcantes, a saber: a edificação dos Paços do Concelho na Praça de D. Pedro IV (Lisboa) e o Santuário de S. Trocato em Guimarães.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, março 13, 2012

Till o Maganão



[LYDIA RODRIGUES / JOSÉ WACHSMANN, tradutores]
prefácio de Ruy Coelho
capa e desenhos de Abel Salazar Carreira


Lisboa, s.d. [1949]
Livraria Popular de Francisco Franco
[1.ª edição]
19,6 cm x 13 cm
160 págs.
subtítulo: As engraçadas travessuras de Till numa compilação extraída da literatura alemã
ilustrado no texto com 10 desenhos zincogravados
exemplar estimado; miolo limpo
ostenta colados na folha de ante-rosto dois pequenos desenhos
20,00 eur

Obra literária divertida, um conto maravilhoso (ou um conjunto de historietas avulsas) da tradição popular medieval germânica, para o qual Strauss compôs, em 1895 – diz no Prefácio o maestro Ruy Coelho –, «[...] uma partitura que formalmente é de facto um “Rondó” mas em que o texto literário, como argumento, sublinha temas, ritmos, orquestração e de um modo geral explica toda a sua construção sonora. [...]»
Mera curiosidade: o autor dos desenhos foi o sócio n.º 2 do Sporting Clube de Portugal.


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quinta-feira, março 01, 2012

Six Heures de Récréation [encadernação]



LAFOREST, madame

nouvelle édition, revue et corrigée
Paris, 1842
P. C. Lehuby
14,4 cm x 9,2 cm
2 págs. + 180 págs. + 3 gravuras em extra-texto
subtítulo: Nouvelles à l’Usage de la Jeunesse
frontispício adornado com fina ilustração desenhada e gravada por Leclere
encadernação romântica inteira de pele triplamente trabalhada com relevo seco, ferros a ouro e pintura a prata (oxidada)
bom estado de conservação, com algumas quebras na lombada
peça de colecção
100,00 eur


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O Visconde de Santarém e a Sua Obra Histórica



NUNO DE PALHARES MARINHO FALCÃO

Lisboa, 1950
[Tipografia das Oficinas de S. José]
1.ª edição (fora do mercado)
26,3 cm x 20,1 cm
164 págs.
subtítulo: Estudo
exemplar bem conservado, em parte por abrir
COM DEDICATÓRIA ASSINADA PELO VISCONDE DE SANTARÉM FILHO DO OBJECTO DO ESTUDO
40,00 eur

Obra em torno do grande impulsionador científico – historiador e cosmógrafo – que foi o 2.º visconde de Santarém, de seu nome Manuel Francisco de Barros e Sousa Mesquita Macedo Leitão e Carvalhosa, figura notável da primeira metade do século XIX. Serão os seus Atlas (3 volumes, 1841, 1842 e 1849 [fonte: Joel Serrão, Dicionário de História de Portugal, vol. V, Iniciativas Editoriais, Lisboa, 1979]) o centro a partir do qual irradia todo o saber, porque, segundo ele, «a geografia é um caminho, embora longo, para se chegar à verdade».


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089