sexta-feira, abril 24, 2015

Informar ou Depender?


FRANCISCO C. P. [PINTO] BALSEMÃO
capa de César Granadeiro

Lisboa, 1971
Edições Ática, S.A.R.L.
1.ª edição
22,5 cm x 14,7 cm
332 págs.
exemplar muito estimado; miolo limpo
assinatura de posse na última página
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial na contracapa:
«[...] co-autor, com Francisco Sá Carneiro, de um projecto de lei de Imprensa que a Assembleia Nacional em breve discutirá – aborda neste livro as grandezas e as servidões da Informação.
Poderão os jornais, a rádio, a TV cumprir a sua missão numa sociedade onde imperam a tecnologia e a força dos grandes grupos de pressão? Conseguirão os “mass media” ser independentes do poder político e do poder económico? Que papel desempenhará, nesta matéria, uma lei de Imprensa em Portugal? [...]»
A resposta honesta a estas perguntas foi perdendo qualquer sentido, nos últimos quarenta anos, em que o próprio conceito de missão informativa, mesmo e sobretudo sob os fastos da democracia, veio a acentuar tratar-se de imprensa ao serviço de uma classe social, ávida de lucros, que escolhe aquilo que ela própria necessita de que a populaça em geral seja notificada. No fundo, a comunicação de massas funciona apenas como cão e pastor de um rebanho tresmalhado. Desde que a humanidade tomou consciência da força dos instrumentos por si criados, a tecnologia nunca foi mais do que uma extensão do poder vigente. Aquilo de que este livro trata, é da necessidade de regulação da avidez interpares: na política como na economia, na cultura como na ciência, no lazer como na propaganda. Por exemplo, as altamente rentáveis revistas ditas cor-de-rosa acumulam a um só tempo a alienação do que verdadeiramente deveria preocupar os súbditos de uma classe que se faz fotografar e promove mexericos, alienação essa de humilhante cariz pacóvio e basbaque dos pobres ante os luxos espaventosos e as festarolas dos ricos. Até o lixo moral rende dinheiro aos balsemões deste mundo!

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089