domingo, maio 24, 2015

O Cinema Entre Nós


LAURO ANTÓNIO

Lisboa, 1970
Publicações Dom Quixote
1.ª edição
18,3 cm x 11,2 cm
272 págs. + 6 págs. em extra-texto
exemplar estimado, sem sinais de quebra na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Resume este livro o que foi a temporada de exibição comercial cinematográfica no país durante o ano de 1968, que o crítico Lauro António põe pelas ruas da amargura:
«[...] Continuamos sem ver o cinema que se faz por esse mundo fora. Bellochio, Godard, Forman, Saura, Rivette, Straub, Pasolini, Bertolluci, Ruy Guerra, Glauber Rocha e outros (que são homens que nestes anos de fim de década de 60 inventam o cinema do futuro), esses não os vimos ainda. O que por aqui passou, as mais das vezes amputado, nada mais foi do que (com algumas excepções honrosas) produtos melhor ou pior acabados de um cinema comercial ou comercializável. E, no entanto, entraram no nosso país 341 novos filmes [...].»
E apesar do triste panorama, tiveram os portugueses a oportunidade de ver uns bocados – o que sobrou após os cortes da censura – de pepitas incontornáveis, como seja Blow Up de Antonioni, 2001: Odisseia no Espaço de Kubrick, Laços Eternos de Delvaux, Play Time de Tati, e, entre as reposições, Anatomia de um Crime de Preminger, Johnny Guitar de Nicholas Ray e Esplendor na Relva de Kazan.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089