terça-feira, outubro 20, 2015

Na “Fermosa Estrivaria”


JOAQUIM MADUREIRA (BRAZ BURITY)

Lisboa, 1912
Livraria Classica Editora de A. M. Teixeira & Cta.
1.ª edição
19,2 cm x 11,5 cm
368 págs.
subtítulo: Notas d’um Diario Subversivo – 1911
exemplar manuseado, com a capa empoeirada mas aceitável; miolo limpo
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

O dito do Cavaleiro de Oliveira acerca da Lisboa setecentista, onde os cidadãos se tratariam entre si com a falta de urbanidade de verdadeiras cavalgaduras, é aqui recuperado pelo humorista, que em género de diário político vai esboçando o retrato trágico de uma época histórica perdida:
«[...] sabidas as contas, embora isso pése á florida rhetorica vermelha, não era, na verdade, um regimen que collectivamente nos opprimia – era uma cilha que brutalmente nos apertava; sobre a sociedade portugueza não pairava, realmente, como espectro, a entoar-lhe os responsaes da agonia, uma crise politica que a embaraçava, uma crise moral que a abandalhava ou uma crise economica que ameaçava subvertêl-a: – o que a derreava e a trazia na espinha, o que a tolhia e a mirrava, a sugar-lhe o sangue, a arrancar-lhe a pélle, arrastando-a implacavelmente ao guano das sociedades apodrecidas, era a albarda, a albarda monstruosa, a albarda desmesurada, a legendaria albarda sob a qual se vergava e se contorcia, se cambrava e se ia esbarrondando a jumencia nacional... [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089