sexta-feira, março 25, 2016

Constança



EUGENIO DE CASTRO

Coimbra, 1900
Livraria França Amado
1.ª edição
17,5 cm x 12,8 cm
16 págs. + 84 págs.
impresso sobre papel de linho
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

É a D. Constança Manuel, filha de D. Juan Manuel de Castela, que se refere o longo poema histórico, e que casou com o infante D. Pedro futuro rei de Portugal. Todavia, é de uma das açafatas de Constança, a galega Inês de Castro, que D. Pedro terá quatro bastardos, contra apenas três legítimos da rainha. Eugénio de Castro trata este momento, que ficou conhecido por lenda de Pedro e Inês, do ponto de vista da rejeitada, retratando-a como esposa tolerante, não ofendida (apesar dos «açoites de ciume»)... o que pode liricamente resultar, mas, para a História, é basto duvidoso. Leia-se um passo:
«[...] E Constança fingia ignorar tudo!
Quasi feliz se os via venturosos,
E triste se os achava entristecidos,
Tão cega se mostrava, com tal arte
Inventava pretextos p’ra sumir-se,
Para os deixar a sós, que se não fôra
O pallido frescor de mocidade,
Que em seu pallido rosto transluzia
Sob um véo de suavissima tristeza,
Ninguem deixára de a tomar p’la doce
Benigna mãe d’aquelles namorados... [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089