segunda-feira, agosto 15, 2016

Diabruras, Santidades e Prophecias


A. C. TEIXEIRA DE ARAGÃO

Lisboa, 1894
Typographia da Academia Real das Sciencias
1.ª edição
24,5 cm x 16,1 cm
XII págs. + 152 págs.
encadernação antiga meia-francesa em pele e papel de fantasia, cantos em pele, gravação a ouro na lombada, nervuras pontilhadas a ouro
pouco aparado, carminado no corte à cabeça
conserva as capas de brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
125,00 eur (IVA e portes incluídos)

O autor, Augusto Carlos Teixeira de Aragão, foi médico militar, arqueólogo-numismata e historiador. Mais conhecido, aliás, nestes campos do que como demonologista. A sua magna Descrição Geral e Histórica das Moedas Cunhadas em Nome dos Reis, Regentes e Governadores de Portugal continua a ser obra de referência. Do vertente estudo e recolha diz-nos, aqui e além, Teixeira de Aragão:
«[...] As superstições de um povo são o barometro por onde melhor podemos apreciar o grau da sua civilisação, tendo, sobretudo, em attenção que estes prejuizos não pertencem só ás classes rudes. Na sciencia temos a busca da pedra philosophal; e a astrologia judiciaria, com a consulta dos corpos celestes para conhecer o futuro, sevia de guia até ao fim do seculo XVII a alguns monarchas e pontifices. [...]»
«[...] As superstições da gente ignorante ou pouco illustrada fluctuam entre o espirito de Deus e o do diabo. Na sua phantasia não ha personalidades definidas; do pequeno fazem grande, do sagrado profano; e a imaginação exaltada pinta-lhes ao mesmo tempo maravilhas e terrores. [...]»
«[...] Os nevropatas são espiritos ignorantes e fracos que se levam pela crendice da goécia. É a reacção mystica supplantando o materialismo pelo fanatismo da fé religiosa, e que na sua cegueira acceita todos os phenomenos por mais disparatados, como o pacto com o diabo, etc. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089