domingo, novembro 13, 2016

Memórias duma Nota de Banco



JOAQUIM PAÇO D’ARCOS
capa de Infante do Carmo

Lisboa, 1962
Guimarães Editores
1.ª edição
19,1 cm x 12,7 cm
288 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR E PELO CARTÃO EM SEU NOME E NO DE SUA ESPOSA MARIA DA GRAÇA SPENCER DE MOURA BRAZ CORRÊA DA SILVA
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

De um excerto do romance, na badana (badana onde, aliás, também pode ler-se um elogio ao escritor do regime, Joaquim Paço d'Arcos, assinado pelo comunista Óscar Lopes):
«[...] Sempre ouvi as minhas companheiras dizer que o regresso ao ponto de partida representa a certa altura, para nós, pobres notas de Banco, a aproximação do fim. Como o aprenderam elas, ignoro-o. Está na tradição oral da nossa espécie. A segurança dessa tradição e umas palavras ontem escutadas levam-me a recear que estejam contados os meus dias [...]»
Mal sabia o Autor que o mesmo ia acontecer a um bilhetinho por ele entregue na Censura, em 1971, solicitando aos censores que o protegessem de muito possíveis ataques da crítica... (vd. o periódico & etc, n.º 23, Junho de 1974).

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089