quinta-feira, dezembro 29, 2016

A Idade da Escrita


ANA HATHERLY

Lisboa, 1998
Edições Tema / Sociedade Guilherme Cossoul
1.ª edição
22 cm x 15,2 cm
64 págs.
exemplar muito estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Ana Hatherly (1929-2015), artista que ganhou, no fim da vida, “amigos” novos que a têm na conta de guru e a promovem aquém-túmulo, por certo ignorantes das duras críticas éticas e literárias que um seu (dela) companheiro de lides experimentalistas, E. M. de Melo e Castro, lhe fez, em carta datada de 25 de Abril de 1969:
«[...] Já há alguns anos que sou teu dedicado e indulgente amigo, demasiado indulgente – sei-o agora, perante um crescente frenesim de auto-promoção gratuita que te invadiu. Gratuita porque enquanto o nível da tua produção desce assustadoramente o teu uso da simpatia como arma cultural sobe correspondentemente. Ora eu estou convencido que o papel do artista de vanguarda não é ser “simpático” nem conquistar uma promoção cultural à custa da arte, dentro de um establishment apodrecido.
Por isso os teus objectivos e os meus não são nem podem ser mais coincidentes.
Lamento que o pequeno sucesso que alcançaste com obras de valor (Mestre, Sigma, Estruturas Poéticas) tenha sido posteriormente tão desbaratado e que tenhas tomado o apoio que te dei sinceramente como uma base para a tua promoção. Não era esse o meu objectivo – mas sim um trabalho construtivo e honesto de verdadeira vanguarda – isto é de desmitificação.
[...] por ser ainda teu amigo te escrevo esta carta que creio ser muito necessária para ti e para a defesa de uma deontologia e uma clareza de propósitos que devem ser as únicas bases passíveis de uma acção cultural digna. [...]» (Fonte: carta manuscrita)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089