segunda-feira, dezembro 11, 2017

OS NOSSOS PREÇOS JÁ INCLUEM =IVA= E DESPESAS DE =ENVIO= EM PORTUGAL

mais de 3.300 obras disponíveis nesta montra
é só ir clicando ao fundo da página
em Mensagens antigas


contacto:
telemóvel: 919 746 089


todas as obras fotografadas correspondem aos exemplares que se encontram à venda
livros usados
todas as encomendas são enviadas em correio registado
international shipping rates
* e-business professional
pagamentos por PayPal, transferência bancária ou contra-reembolso

* em cumprimento da Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro – Resolução Alternativa de Litígios de consumo (RAL), artigo 18.º, cabe-nos informar que a lista de Centros de Arbitragem poderá ser consultada em www.consumidor.pt/


Problemas do Sezonismo


MÁRIO ARMANDO BRAGA THEMIDO

Porto, 1944
Editorial Saber
1.ª edição
24,1 cm x 16,8 cm
272 págs.
subtítulo: Profilaxia (Ensaio de Medicina Social)
profusamente ilustrado
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível, por abrir
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Os Insectos Inimigos da Casa e Sua Destruição


CARLOS A. CORREIA

Lisboa, 1931
Emprêsa Nacional de Publicidade
[1.ª edição]
19,4 cm x 12,3 cm
32 págs.
acabamento com um ponto em arame
exemplar estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Nota de abertura:
«Todos têm, mais ou menos, interesse na destruição dos parasitas: parasitas do homem, parasitas da casa, parasitas do campo; tantos são os inimigos que é preciso combater.
O meio próprio para empregar em cada ocorrencia nem sempre é conhecido e muitas vezes é difícil, porque existem muitos métodos; o que o interessado deve conhecer para a destruição dos parasitas é o processo a empregar, é a maneira de o fazer, preparando ele mesmo o produto que destruirá ou afastará o inimigo.
Nêste resumo se expôe a preparação das misturas antiparasitárias ao alcance de todos.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Flora de Carcavelos


[LUCIANO DE MATOS]

Carcavelos, Outono de 1956 – Primavera de 1957
Flora de Carcavelos
1.ª edição
20,5 cm x 14,3 cm
44 págs.
ilustrado
acabamento com um ponto em arame
exemplar muito estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Breve livro-catálogo do referido horto.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Roseira, Sua Cultura e Multiplicação [junto com] [O Grilo do Moinho]



J. CASIMIRO BARBOSA
J. PEDRO DA COSTA
[Ponson du Terrail
trad. T. A. de Carvalho Junior]

Porto, 1880 [Lisboa, 1871]
Typographia Lusitana [Typographia de Castro Irmão]
1.ª edição (ambos)
2 obras distintas enc. em 1 volume
22 cm x 14,4 cm
324 págs. + [224 págs.]
ilustrado no corpo do texto
encadernação modesta de amador em meia-inglesa, gravação a ouro na lombada referindo somente A Roseira e os seus autores
aparados, sem capas de brochura
exemplar estimado, fêstos frágeis; miolo limpo
65,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


As Roseiras


JOÃO MOREIRA DA SILVA
JOAQUIM MOREIRA DA SILVA

Porto, 1953
Alfredo Moreira da Silva & Filhos, L.da
3.º milhar
21,8 cm x 16,7 cm
84 págs.
subtítulo: História – Classificação – Multiplicação – Podas – Hibridação – Doenças
profusamente ilustrado
exemplar estimado; miolo no geral limpo, com sublinhados a tinta nas págs. 37, 43, 47, 74, e 77-79
assinatura de posse na pág. 81
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Excelente monografia da planta referida.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Memoria Historica da Antiguidade do Mosteiro de Leça, Chamada do Balio




ANTONIO DO CARMO VELHO DE BARBOZA

Porto, 1852
Em Casa de Ignacio Corrêa, Editor e Livreiro
1.ª edição
26 cm x 20,5 cm
6 págs. + IV págs. + 94 págs. + 5 folhas em extra-texto (gravuras)
subtítulo: Da Ordem a que pertenceu, das diferentes alterações, que teve, e dos primitivos povos, que por estes sitios habitaram
ilustrado
encadernação coeva em meia-inglesa com sóbria gravação a ouro na lombada
ligeiramente aparado
sem capas de brochura [?]
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível
ASSINATURA DE POSSE A LÁPIS DE CAMILO CASTELO BRANCO NO VERSO DA PRIMEIRA FOLHA-DE-GUARDA
trata-se muito provavelmente de um dos lotes n.º 91 ou 92 referidos no Catalogo da Preciosa Livraria do Eminente Escriptor Camillo Castello Branco [...] a qual será vendida em leilão, em Lisboa, no proximo mez de dezembro de 1883 [...] sob a direcção da casa editora de Mattos Moreira & Cardosos
130,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos Inocêncio Francisco da Silva no seu Diccionario Bibliographico Portuguez (tomo VIII, Imprensa Nacional, Lisboa, 1867):
«Foi Antonio do Carmo natural da villa de Barcellos, e ahi nasceu a 13 de Agosto de 1789. Destinando‑se á vida claustral, recebeu o habito de S. Bento no mosteiro de Tibães em 6 de Junho de 1805, e concluido o seu noviciado professou no anno seguinte. Em 1809, sendo collegial no mosteiro de Renduffe, tomou armas com todos os seus companheiros para juntamente com o povo e tropa se opporem á invasão do exercito francez do commando do general Soult. Depois da retirada do dito exercito, recolheu‑se com os seus collegas ao mesmo mosteiro de Renduffe, para ahi continuarem o curso de philosophia, que apenas haviam começado antes do alistamento patriotico. Costumados porém á vida soldadesca, para logo principiaram a desgostar‑se dos exercicios religiosos, preferindo ao som do orgão o das cornetas, e trocando de má vontade o cheiro da polvora pelos aromas do incenso. [...]
Como em Junho de 1833 fosse o mosteiro de Paço de Sousa destinado para hospital militar das tropas que cercavam o Porto, sahiram delle os monges, e Fr. Antonio foi mudado para o mosteiro de S. João d’Arnoia em Basto, onde se conservou até ser ahi proclamado o governo da rainha. Vindo depois para o Porto, foi em 18 de Julho de 1834 eleito parocho encommendado da egreja de Valbom, nos suburbios da mesma cidade. D’ahi começou pouco depois a escrever para o periodico A Vedeta, que defendia doutrinas anti‑ministeriaes, e nelle publicou varios artigos, que começaram a grangear‑lhe alguma nomeada, e a denominação ou alcunha de Padre Vedeta, pela qual se tornou mais geralmente conhecido.
[...] foi [...] Abbade da egreja matriz de Leça do Balio, na qual foi collado em 26 de Março de 1850. Pouco tempo pôde fruir este beneficio. Accommettido ao cabo de um anno de uma violenta sciatica, que muito o fazia soffrer, veiu accumular‑se a este padecimento uma febre cerebral, a que succumbiu emfim, expirando em 4 de Fevereiro de 1854. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Memoria Historica da Antiguidade do Mosteiro de Leça, Chamada do Balio



ANTONIO DO CARMO VELHO DE BARBOZA

Porto, 1852
Em Casa de Ignacio Corrêa, Editor e Livreiro
1.ª edição
25,6 cm x 18,3 cm
8 págs. + 94 págs. + 5 folhas em extra-texto (gravuras)
subtítulo: Da Ordem a que pertenceu, das diferentes alterações, que teve, e dos primitivos povos, que por estes sitios habitaram
ilustrado
encadernação coeva em meia-inglesa com sóbria gravação a ouro na lombada
ligeiramente aparado
sem capas de brochura [?]
exemplar estimado, falhas de papel e restauro antigo nos cantos superiores direitos das primeiras 13 folhas; miolo limpo, papel vagamente manchado
ostenta colado no verso da capa anterior o ex-libris de Henrique Marques
90,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Silêncio dos Poetas


ALBERTO PIMENTA
capa e grafismo de J. M. Serrano

Lisboa, 1978
A Regra do Jogo, Edições
1.ª edição
21,1 cm x 12,8 cm
204 págs.
subtítulo: Precedido de Reflexões Sobre a Função da Arte Literária
exemplar como novo
conserva a cinta promocional onde se lê: «“Depois de Auschwitz não há poesia possível”?»
47,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do livro mais importante do poeta Alberto Pimenta: uma invulgar reflexão ensaística acerca da Arte Poética nos dias actuais. Invulgar, porque assim como os actuais poetas são avessos a leituras públicas das suas obrinhas, e portanto avessos à prova de fogo de uma fonética operativa, na mesma proporção têm-se mostrado incapazes do exercício teórico, e até adversários do memorialismo literário.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Bestiário Lusitano



ALBERTO PIMENTA

Lisboa, 1980
Edição do Autor
1.ª edição
20,9 cm x 16,4 cm
88 págs.
exemplar estimado; miolo limpo, com algumas páginas manchadas por contacto com papéis acidulados
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz o autor de si próprio que «nasceu em 1937, é licenciado em letras, soldado sem instrução incorporado na reserva territorial, foi durante 16 anos professor de português na universidade de Heidelberg, actualmente [nos anos 80] não é nada disso [...].» Há que acrescentar a estas singulares palavras: que o género e o estilo daquilo que escreve são cáusticos, mordazes, senão mesmo viperinos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Visita do Papa


ALBERTO PIMENTA

Lisboa, Maio de 1982
& etc
1.ª edição
20,3 cm x 16,1 cm
20 págs.
acabamento com dois pontos em arame
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Um pormenor, que alguns ignorarão hoje por falta de memória ou de referências, é o lettering na capa, em que, para a palavra Papa, se fez um tratamento gráfico das letras a partir de uma então popular marca de papel higiénico. Também o texto, que alinha pela bitola do repúdio da vinda do sumo-pontífice a Portugal, desenvolve trocadilhos e alusões em torno dessa dita marca.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Album de Simpatias







TIO RICO, org.

Montijo, 1950
Edição da “Gazeta do Sul”
1.ª edição («edição de luxo»)
31,1 cm x 24 cm
160 págs. + 1 folha em extra-texto (reprodução fotográfica) protegida por folha de cristal
profusamente ilustrado a negro e a cor
encadernação editorial em tela encerada com gravação a ouro na pasta anterior e na lombada, gravação a seco na pasta posterior
conserva a capa da brochura
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
inclui o verbete numerado e autenticado com selo branco que habilitava ao sorteio de
um automóvel
peça de colecção
60,00 eur (IVA e portes incluídos)

O prato forte desta publicação roda em torno da eleição da Miss Gazeta, e a respectiva entrevista à eleita. Todavia, acaba por ser também uma excelente revista de entretenimento cultural, em que abundam os contos, as poesias, notícias de cinema, artigos virados para a educação e as preocupações da mulher, etc. Encerra o volume a partitura musical com o Hino da “Gazeta do Sul”, composto por Amadeu de Moura Stoffel.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Selecções da Gazeta do Sul [1930-1960]


Montijo, 1955 e 1961
dir. Alves Gago (vol. III: dir.Tio Rico)
edição da «Gazeta do Sul»
1.ª edição
3 volumes (completo)
19,5 cm x 14 cm
3 x 320 págs.
cantos redondos e corte carminado nos dois primeiros volumes, abrindo o vol. I com uma cortina impressa sobre papel-vegetal
exemplares em bom estado de conservação; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO DIRECTOR DA PUBLICAÇÃO REINALDO ALVES GAGO NO I VOLUME
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

O maior interesse nesta compilação de colaborações, distribuídas pelas páginas da dita gazeta entre 1930 e 1960, reside na plêiada dos intelectuais que as assinaram, entre os muitos quais se conta, à cabeça, o que julgamos ter sido a estreia absoluta, em 1940, de Sebastião da Gama, que assinava então Zé d’Anicha (vols. II e III).
Dos outros, podemos apontar alguns nomes evidentes, como Ferreira de Castro, Stuart Carvalhais, João da Câmara, Cardoso Martha, Olavo Bilac, Florbela Espanca, Agostinho Campos, Raúl Brandão, Severo Portela, Júlio Dantas, Augusto Gil, Homem Cristo, Mário Gonçalves Viana, Tomaz da Fonseca, André Brun, Lyon de Castro, Alberto Pimentel, Victor de Sá, Cottinelli Telmo, Leonel Cosme, etc.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Contos Já Contados



aa.vv.
C. [Carlos] Alberto [Santos]

s.l. [Montijo], s.d. [circa anos 1960]
Gazeta do Sul, Editora
[1.ª edição]
20 cm x 14,4 cm
224 págs.
capa de C. Alberto
volume profusamente ilustrado com vinhetas alusivas a cada uma das peças literárias
exemplar n.º 870 de uma tiragem não declarada
manuseado mas muito aceitável, miolo limpo
ostenta na folha de ante-rosto o selo-branco do semanário Gazeta do Sul
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Compilação dalguns contos anteriormente publicados ao longo de duas décadas nas páginas do periódico, vinte trechos literários de pendor moralizante neo-realista, cujos autores, encabeçados pelo então estreante Antunes da Silva, se estendem por nomes como Alberto Lima, Celestino Gomes, Matilde Rosa Taranta, Sílvia Vaz, Augusto Barbosa, Leonel Cosme, Miguel Serrano, Adérito Cabral, etc.
A capa – com certeza de propósito, num estilo abertamente dirigido a um público feminino – mimava a estética das “revistas cor-de-rosa” da época, nomeadamente a Crónica Feminina.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Dois Tamanquinhos


OUIDA
trad. anónima
capa não assinada

Montijo, 1942
«Gazeta do Sul», Editora
s.i.
14,8 cm x 10,8 cm
144 págs.
exemplar envelhecido mas aceitável; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Pseudónimo de Marie Louise de la Ramée (1839-1908), filha de mãe inglesa e pai francês, popularizou-se como prolífica ficcionista no género meloso e extravagante. Originalmente publicado em 1874, Two Little Wooden Shoes teve a primeira tradução portuguesa pela mão de Cândido de Figueiredo em 1888, sendo então incluída na brilhante colecção Biblioteca Antiga e Moderna, do editor David Corazzi.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Contos


JACINTO DOS REIS PEREIRA [a]
HONORÉ BENOIT [b]
capa de Cândido [Costa Pinto]

Montijo, 1942 e 1941
«Gazeta do Sul», Editora
1.ª e 2.ª edições
2 livros juntos pelo editor no mesmo volume
14,3 cm x 10,7 cm
120 págs. + 70 págs.
contos coligidos: [a] «Panorama»; «O Regresso á Terra»; «Para Além Desta Vida»; «Inverno»; «Irmãos...»; «Valor Real»; «Ratinhos e Ceifeiros do Alentejo»; «A Balada da Noite Sem Fim»; «A Mensagem do Menino»; «A Grande Demanda»; [b] Ester
exemplar muito estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Nova Recolha de Provérbios o Outros Lugares Comuns Portugueses


MANUEL JOÃO GOMES, org. e pref.
capa e ilust. Henrique Manuel

Lisboa, Setembro de 1974
Fernando Ribeiro de Mello / Edições Afrodite
1.ª edição
21 cm x 14,6 cm
32 págs. + 388 págs. + 18 folhas em extra-texto
ilustrado
exemplar estimado; miolo limpo
assinatura de posse do ex-ministro dos Assuntos Sociais, o falecido médico C[arlos Matos Chaves Mascarenhas de] Macedo
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Notável trabalho de reunião de ditos e máximas do saber popular.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


El Hombre Que Mató al Diablo


AQUILINO RIBEIRO
trad. A. González-Blanco

Madrid, 20 de Setembro de 1924
Publicaciones Prensa Gráfica
1.ª edição
14,8 cm x 11,3 cm
64 págs.
acabamento com um ponto em arame
exemplar estimado, capa com vagos sinais de lepisma; miolo irrepreensível
PEÇA DE COLECÇÃO
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se da absoluta edição original de uma novela a que, mais tarde, em 1930, Aquilino veio a dar uma forma literária diversa, expandindo-a para um romance com umas boas três centenas e meia de páginas.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Os Olhos Deslumbrados



AQUILINO RIBEIRO
desenhos de Botelho

Lisboa, 24 de Dezembro de 1955
Diário de Lisboa
[1.ª edição e única nesta forma]
20,6 cm x 15 cm
64 págs.
folhas encasadas sem costura nem agrafo, embora se conheçam exemplares com o acabamento a dois pontos em arame
exemplar bem conservado; miolo muito limpo
peça de colecção
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos o cólofon que este brinde de Natal oferecido, na data supra, pelo Diário de Lisboa aos seus leitores é uma novela que integrava, em 1914, a primeira edição de Filhas de Babilónia, aqui editada a partir da versão definitiva vinda a lume em 1925. E a fechar a nota da redacção: «[...] Pois aqui tendes a novela “Os Olhos Deslumbrados”, de Aquilino Ribeiro, oiro de lei da língua, Malhoa pintando os nossos costumes, tanto à brocha larga para as personagens toscas, arrancadas ao etnos, na originalidade da greda, como com o fino pincél de marta, para as velaturas das suas paixões e sentimentos – novela essa, porventura, a mais definidora da temática e do estilo do régio prosador português.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

A Traição


AQUILINO RIBEIRO

Lisboa, s.d. [1922]
Editorial, Ld.ª
1.ª edição
14,4 cm x 10 cm
32 págs.
acabamento com um ponto em arame
exemplar estimado; miolo limpo
PEÇA DE COLECÇÃO
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Jovem autor, nesses anos 20, à semelhança de Ferreira de Castro também Aquilino preferiu que certas tentativas literárias ficassem perdidas sem reedição, hoje apenas alvo do apreço e busca continuada dos bibliófilos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

sexta-feira, dezembro 08, 2017

Sílex – Revista de Letras e Artes




Lisboa, Março de 1980 e Setembro de 1986
dir. Artur Lucena
10 números (completa)
24,2 cm x 20 cm
[5 x 40 págs.] + 48 págs. + 80 págs. + [84 págs. + 4 págs. em extra-texto (suplemento)] + [80 págs. + 4 págs. em extra-texto (suplemento)] + 76 págs.
ilustradas
exemplares em bom estado de conservação; miolo limpo
inclui os dois suplementos Iniciação
assinatura de posse na n.º 7
310,00 eur (IVA e portes incluídos)

Apesar de Alexandre O’Neill fazer parte do autodesignado conselho de leitura, de par com António Ramos Rosa e João Rui de Sousa, a revista foi sempre refúgio intelectual de gente menoríssima, no género Fernando Grade, Júlio Roberto ou Dorita de Castel-Branco. Do lado sério, porém, aí se respigam colaborações de, por exemplo, Rebecca Catz, Jacinto do Prado Coelho, Vergílio Ferreira, Agustina Bessa-Luís, José Saramago, Joel Serrão, Armando da Silva Carvalho, Fiama, Sophia, Francisco Aranda, etc. Mas, de vícios useiros e vezeiros na imprensa cultural portuguesa, dá também a Sílex o triste exemplo: logo na n.º 5 pode ler-se Ana Hatherly a babar elogios sobre um livro de um dos figurantes no conselho de leitura...
A última das revistas, marcada pelo súbito falecimento de Alexandre O’Neill, acaba por ser um número a reter, sobretudo devido a dois aspectos: o doce poeta Raul de Carvalho, também de morte recente, é aí homenageado ao longo de uma vintena de páginas; quase uma outra vintena dedica-se a alguns aspectos marginais do surrealismo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quinta-feira, dezembro 07, 2017

The Second World War



WINSTON S. CHURCHILL

Londres – Toronto – Melburne – Sidnei – Wellington, 1949-1954
Cassell & Co. Ltd
1.ª edição [todos, excepto os vol. I e VI (2.ª edição)]
6 volumes (completo)
texto em inglês
21,7 cm x 15 cm
[XX págs. + 724 págs.] + [XVIII págs. + 684 págs. + 3 desdobráveis em extra-texto] + [XVIII págs. + 818 págs. + 3 desdobráveis em extra-texto] + [XVIII págs. + 918 págs. + 5 desdobráveis em extra-texto] + [XVIII págs. + 674 págs. + 4 desdobráveis em extra-texto] + [XVIII págs. + 718 págs. + 11 desdobráveis em extra-texto]
subtítulos: vol. I – The Gathering Storm; vol. II – Their Finest Hour; vol. III – The Grand Alliance; vol. IV – The Hinge of Fate; vol. V – Closing the Ring; vol. VI – Triumph and Tragedy
encadernações em meia-inglesa homogéneas, excepto a encadernação editorial inteira em tela do vol. II, gravações a ouro nas lombadas, corte carminado à cabeça
exemplares muito estimados; miolo limpo
detectadas assinaturas de posse em dois volumes
470,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quarta-feira, dezembro 06, 2017

Cartilha Visual





AUGUSTO DE SANTA-RITA
[ilust. Fernando Alves de Sousa*]

[Lisboa, 1946*]
[Livraria Bertrand*]
1.ª edição
29 cm x 21,4 cm
52 págs. [de um total de 58 págs.*]
[subtítulo: Método de ensino pré-primário*]
profusamente ilustrado a cor
impresso sobre folhas de cartolina, acabamento com duas argolas metálicas
exemplar estimado, apesar de incompleto; miolo limpo
180,00 eur (IVA e portes incluídos)

Augusto de Santa-Rita (1888-1956), irmão do pintor futurista Santa-Rita, para além de haver cultivado uma poética sobretudo simbolista, e da sua estreita ligação ao Estado Novo, legou-nos um apreciável conjunto de literatura infanto-juvenil, de que a vertente obra dá correcta ideia do respectivo valor pedagógico.
* Informações [ ] segundo as Bibliotecas Públicas do Porto.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


“Dona Maria” de Trazer por Casa

 

ADOLFO SIMÕES MÜLLER
ilust. Fernando Bento

Lisboa, 1947
Edição da Empresa Nacional de Publicidade
1.ª edição
23,8 cm x 18,4 cm
96 págs.
profusamente ilustrado a cor (bicromia)
cartonagem editorial com folhas-de-guarda impressas com motivos infantis, sobrecapa polícroma destacável para armar
exemplar muito estimado, discretos restauros na sobrecapa; miolo limpo
dedicatória de posse no ante-rosto
PEÇA DE COLECÇÃO
90,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Collecção Patricia



dir. ALBINO FORJAZ DE SAMPAIO
desenhos de Saavedra Machado
capa de Jorge Barradas

Lisboa, 1924 a 1927, 1931, 1936-1937 e 1941
Empreza do Diario de Noticias
1.ª edição [excepto três dos fasc.]
colecção completa (52 volumes)
20,6 cm x 13,5 cm (estojo)
52 x 16 págs.
profusamente ilustrados
exemplares muito estimados, falha de papel no canto inferior esquerdo do fascículo Thomaz Ribeiro; miolo limpo
discreta dedicatória de posse no fascículo Guerra Junqueiro
ex-libris de Casimiro de Souza Fontes Junior e de Octaviano Sá nalguns exemplares
inclui o muitíssimo raro fascículo Osvaldo Orico
voluminhos acondicionados num estojo próprio de fabrico recente em tela
PEÇA DE COLECÇÃO
210,00 eur (IVA e portes incluídos)

Porque a direcção do Diário de Notícias desde muito cedo entendeu que a sua função jornalística deveria ir mais longe na formação do pensamento dos leitores, cedo apostou em edições em livro paralelas e complementares, logo aplaudidas com «o agrado com que o público recebeu os primeiros fascículos da “Colecção Patrícia”, dirigida por Albino Forjaz de Sampaio e louvada pelo Ministério da Instrução Pública» (vd. João Paulo Freire, O Diario de Noticias – Da Sua Fundação às Suas Bodas de Diamante, vol. 2, Lisboa, 1939). Cada voluminho é uma sucinta monografia, agrupando-se por temas artísticos diversos, tais como «Os Escriptores» (16), «As Antologias» (5), «Os Poetas» (13), «Os Contemporaneos» (4), «Os Monumentos» (1), «O Teatro» (3), «Musa Feminina» (3), «O Livro» (2), «Arte Portuguêsa» (2) e «Pintura Portuguêsa» (3), com os seguintes títulos:
Camillo Castello Branco; Fialho d’Almeida; Os Melhores Sonetos Brazileiros; Alexandre Herculano; Gomes Leal; Eça de Queiroz; Guerra Junqueiro; Eugenio de Castro; Os Eternos Sonetos de Portugal; A Batalha; Bocage; Marcelino Mesquita; As Mais Lindas Quadras Populares; Antonio Nobre; Marqueza d’Alorna; Gil Vicente; Camillo e o Centenário; Julio Diniz; Julio Dantas; Ex-libris; Sonetos Contemporâneos; Sá de Miranda; Nicolau Tolentino; Garcia de Resende; Latino Coelho; Sóror Mariana; Ramalho Ortigão; D. João da Câmara; Henrique Lopes de Mendonça; A Ceramica; Oliveira Martins; Julio Cesar Machado; As Cartas de Amor de Sóror Marianna; Manuel Bernardes; Gonçalves Crespo; Fernão Lopes; Silva Pinto; Augusto Gil; História Trágico-Marítima; Poetisas de Hoje; André Brun; Cerâmica Portuguêsa; Thomaz Ribeiro; António Feijó; Guilherme de Azevedo; Abel Botelho; João de Deus; Carlos Reis; José Malhoa; Delfim Guimarães; Alberto Sousa; Osvaldo Orico.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


terça-feira, dezembro 05, 2017

Subsídios para a História das Termas de S. Pedro do Sul


EMPRÊSA DINIZ & C.ª, L.da

Porto, 1925
Tipografia Sequeira, Limitada
s.i.
20,6 cm x 14,5 cm
140 págs.
subtítulo: Uma campanha vil desmascarada – Ajuste de contas
exemplar estimado; miolo no geral limpo
sublinhados nas págs. 36-40, 45, 58 e 62
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Proémio:
Para além de se esclarecer o leitor tratar-se o vertente escrito um libelo contra quem vinha tentando sabotar a posse e exploração das termas por parte da Empresa Diniz, entre outros a própria Câmara Municipal de São Pedro do Sul, «[...] Êste livro será, pois, um documento para a história das antiquíssimas e afamadíssimas Caldas de Lafões. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Eu, o Povo


MUTIMATI BARNABÉ JOÃO
[João Pedro Grabato Dias, (aliás) frey Ioannes Garabatus, (aliás) António Quadros]


Lourenço Marques, 1975
Edição da Frelimo
1.ª edição
20,6 cm x 14,9 cm
32 págs. (não num.)
subtítulo: Poemas da Revolução
acabamento com dois pontos em arame
exemplar bom estado de conservação; miolo irrepreensível
peça de colecção
55,00 eur (IVA e portes incluídos)

De seu nome completo António Augusto de Melo Lucena e Quadros, este reconhecido filho de Viseu, que também foi pintor, escultor e poeta surrealista, na linha verrinosa das cantigas de escárnio e maldizer, só comparável, em poeta moderno, a Alexandre O’Neill, surge aqui expandindo a sua heteronimia numa “homenagem” à terra que o acolheu durante um quarto de século. Companheiro de Rui Knopfli, com quem co-editou os cadernos de poesia Caliban, à sua pérfida maneira celebra aqui a independência da ex-colónia, sob nome que – diz ele – «[...] é a voz individual que corporiza a voz colectiva [...]», posto que, «[...] na realidade Mutimati fosse o nome do seu criado, Barnabé o do seu gato e João o do seu filho [...]» (in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, vol. 6, Publicações Europa-América, Mem Martins, 2001).
Leia-se, por exemplo, poema «Relatório», que abre o caderno:
«Pus o meu irmão debaixo da Terra
Porque desde ontem o meu irmão não falava mais
E não queria comer, não queria limpar a Kalashnikoff
Com os olhos muito abertos e leves de sono.

Este meu irmão ficou ontem muito diferente
Quando uma pequena ave imperialista
Um simples assobio cego e sem penas
Que vinha voando do outro lado da Alegria
Resolveu estupidamente ninhar naquele coração
Quando meu irmão estava mesmo na metade mesmo
De um passo, Camarada Comandante.

Está aqui tudo o que não era meu irmão
O cinturão, o camuflado, dois carregadores, a arma boa
O bornal, o cantil, o facão, esta pequena moeda estrangeira.

Está tudo em muito perfeito estado de conservação.
Faz favor dá Ordem para pôr dentro outro Irmão
Camarada Comandante.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

A Mulher no Mundo


MARIA LAMAS

Rio de Janeiro | Lisboa, 1952
Livraria Editora da Casa do Estudante do Brasil
1.ª edição
2 volumes (completo)
25,9 cm x 19,4 cm
[640 págs. + 30 folhas em extra-texto] + [656 págs. + 28 folhas em extra-texto]
ilustrados
impressos sobre papel superior avergoado
exemplares estimados, capas com pequenas esfoladelas; miolo limpo, por abrir
150,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se de uma informada e culta história da mulher e da sua condição social ao longo dos tempos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Cenas Portuguesas


SARAH BEIRÃO

Porto, 1956
Manuel Barreira – Editor | Livraria Simões Lopes
3.ª edição
19,4 cm x 13 cm
240 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível, parcialmente por abrir
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Sarah de Vasconcelos Carvalho Beirão (1880-1974) foi escritora e jornalista, de formação republicana e acérrima sufragista defensora dos direitos das mulheres. De par com Maria Lamas e Elina Guimarães, destacou-se também como dirigente do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas. Deve-se-lhe ainda a fundação da primeira Casa do Artista.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Rua do Oiro



ALFREDO MESQUITA

Lisboa, 1905
Livraria Editora Viuva Tavares Cardoso
1.ª edição
18,7 cm x 12,1 cm
304 págs.
subtítulo: Romance Lisboeta
encadernação recente em meia-inglesa com gravação a ouro na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Jornalista açoriano, os ideais da República e o seu amigo João Chagas levaram Alfredo Mesquita (1871-1931) à carreira diplomática. Como escritor, o seu estilo fluente de crónica de costumes deve muito, menos a Ramalho Ortigão – mais a Júlio César Machado.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089