quinta-feira, janeiro 05, 2017

A Minha Terra



ANTONIO CORRÊA D’OLIVEIRA
ilust. Antonio Carneiro

Paris-Lisboa / Rio de Janeiro, 1915-1917
Livrarias Aillaud e Bertrand / Livraria Francisco Alves
1.ª edição (todos, excepto vol. VIII, 2.ª edição)
10 volumes (completo)
19 cm x 12,3 cm
64 págs. + 54 págs. + 64 págs. + 64 págs. + 64 págs. + 64 págs. + 64 págs. + 72 págs. + 76 págs. + 96 págs.
subtítulos: I. Caminhos; II. Auto do Anno-Novo; III. Á Lareira; IV. Vida de Lavrador; V. D’Aquem e d’Alem Ondas; VI. Do Meu Quintal; VII. Os Namorados; VIII. Auto de Junho; IX. Um Lenço de Cantigas; X. Cartas ao Vento
profusamente ilustrados a cor
impressos sobre papel marfim de gramagem superior
brochuras acondicionadas num estojo próprio de fabrico recente em sintético fantasiando pele de lagarto
exemplares estimados; miolo limpo, alguns por abrir
peça de colecção
125,00 eur (IVA e portes incluídos)

Raul Brandão, numa memorável página das suas Memórias (Jornal do Fôro, Lisboa, 1969), recorda-o assim o poeta:
«António Correia de Oliveira, ossos, nervos e a pele necessária para os cobrir – com um chapéu alto e lustroso em cima – grande poeta, com raízes profundas na natureza, tem na Beira uma tia que passa a vida em diálogos estranhos com as árvores e as pedras. E mal chega a noite ei-la começa a cumprir o seu fadário: leva até à madrugada a dar de beber indistintamente às plantas do seu quintal e às dos quintais vizinhos, numa aflição, numa piedade que se estende até às ervas ignoradas e ruins. Monologando sempre, vai e vem – que não fique alguma com sede – com o regador nas mãos, até que a manhã a encontra exausta, feliz, encharcada até aos ossos e ainda embebida naquele sonho frenético de ternura... Toda a emoção do poeta está aqui, do grande poeta que diz: – Sinto em mim uma força da natureza... hei-de aproveitá-la. – Os avós deram cabo da casa. O pai ninguém o arrancava às suas árvores, e um tio, personagem de Camilo, morreu cosido de facadas. A mocidade do poeta foi também dolorosa. Chamavam-lhe mágico. Para não pesar à mãe escreveu à rasa num tabelião e foi proposto de recebedor em Sesimbra, ele que nunca soube somar. Iam as mulheres dos pescadores pedir-lhe perdão das décimas, e nunca na memória dos homens se viu recebedor em semelhantes apuros, perplexo diante dos papéis, dos pobres, da desgraça, das contas e da sua própria alma! Um dia gostou duma mulher e escreveu os primeiros versos, Ladainhas. – Eu não sabia o que eram versos, nem medir versos. Saiu-me aquilo... Troçaram-me tanto que estive para endoidecer. Sabe o que me valeu? Um artiguinho do Trindade Coelho no Repórter. Essas palavras salvaram-me!»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089