terça-feira, fevereiro 07, 2017

Luuanda [junto com] A Dolorosa Razão duma Atitude


LUANDINO VIEIRA
JOAQUIM PAÇO D’ARCOS

Belo Horizonte (Brasil) / Lisboa, 1965
Editora e Distribuidora «Eros», Ltda. / Ed. Autor
1.ª edição (brasileira ?) / 1.ª edição
2 volumes
[19,1 cm x 13,7 cm] + [19 cm x 12,2 cm]
168 págs. + 24 págs.
subtítulo do 2.º vol.: Para a história da Sociedade Portuguesa de Escritores e do seu fim
exemplares estimados; miolo limpo
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Esta edição de Luuanda é efectivamente a primeira edição comercial do livro mítico do Autor (talvez o mais metodicamente ilegalizado e destruído pela ditadura do Estado Novo), e que esteve na origem do assalto policial e imediato encerramento da Sociedade Portuguesa de Escritores, após a atribuição, por parte desta, de um prémio literário a Luandino Vieira... com base na edição original clandestina de 1964. Facto curioso, em 1969 (segundo uma local do Diário de Notícias de 6 de Março) foram julgados no Tribunal da Boa-Hora quatro responsáveis por uma certa edição pirata, que, segundo informação divulgada na revista Coelacanto, #02 (Junho de 2013), se trataria desta, dita de Belo Horizonte (quem sabe se impressa num comboio em andamento...).
Do Dicionário Cronológico de Autores Portugueses (vol. VI, Publicações Europa-América, Mem Martins, 2001):
«[...] Preso em 1961 por alegadas ligações ao MPLA, foi em 1963 desterrado para o Tarrafal, Cabo Verde, donde voltou a Lisboa apenas em 1972 para aqui viver em liberdade condicional e [com] residência fixa, regressando a Angola em 1975. [...]»
Referenciado igualmente em Livros Proibidos no Estado Novo (Assembleia da República, Lisboa, 2005) e em Livros Proibidos no Regime Fascista (Presidência do Conselho de Ministros – Comissão do Livro Negro Sobre o Regime Fascista, Lisboa, 1981).
Quanto a Joaquim Paço d’Arcos, na altura presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Escritores, vem no seu texto tornado público tentar limpar-se de, juntamente com Luís Forjaz Trigueiros, não ter sido solidário na atribuição de um prémio literário que, reconhecia-o ele próprio, servia nomeadamente para «[...] no instante em que [...] era anunciado as agências telegráficas estrangeiras comunica[rem] para o mundo, em telegramas redigidos em inglês e francês, [...] ter a Sociedade Portuguesa de Escritores acabado de atribuir o Grande Prémio de Novelística a um preso condenado a catorze anos de prisão por actividades subversivas. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089