quarta-feira, maio 24, 2017

OS NOSSOS PREÇOS JÁ INCLUEM =IVA= E DESPESAS DE =ENVIO= EM PORTUGAL

mais de 3.000 obras disponíveis nesta montra
é só ir clicando ao fundo da página
em Mensagens antigas


contacto:
telemóvel: 919 746 089


todas as obras fotografadas correspondem aos exemplares que se encontram à venda
livros usados
todas as encomendas são enviadas em correio registado
international shipping rates
* e-business professional
pagamentos por PayPal, transferência bancária ou contra-reembolso

* em cumprimento da Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro – Resolução Alternativa de Litígios de consumo (RAL), artigo 18.º, cabe-nos informar que a lista de Centros de Arbitragem poderá ser consultada em www.consumidor.pt/


O Trajo Popular em Portugal nos Seculos XVIII e XIX [junto com] O Trajo Popular em Portugal nos Seculos XVI e XVII



ALBERTO SOUZA

Lisboa, 1924 e 1925
Edição do Autor
Livraria Portugália (depositário)
1.ª edição
1 volume + 3 fascículos (completo)
32,5 cm x 25 cm (in 4.º)
[254 págs. + 8 estampas em extra-texto (tricromias)] + [XVI págs. + 16 págs. + 1 estampa em extra-texto (tricromia)] + 2 x [32 págs. + 1 estampa em extra-texto (tricromia)]
subtítulos:
I parte – 400 Gravuras Reproduzidas Directamente pela Fotografia, Segundo os Documentos da Época
II parte – 200 Gravuras Reproduzidas Directamente pela Fotografia, Segundo os Documentos da Época
profusamente ilustrado
impressão sobre papel superior, tricromias impressas sobre cartolina couché, capas de brochura com estampas coladas
volume com encadernação editorial, lombada e cantos em pele com gravação a ouro em ambas as pastas
carminado no corte à cabeça, conserva todas as capilhas
os 3 fascículos da II parte estão em brochura
exemplares muito estimados; miolo irrepreensível
220,00 eur (IVA e portes incluídos)

Alberto Sousa, pintor discípulo do aguarelista Nicola Bigaglia e do desenhador Manuel de Macedo, legou à história literária nacional obra gráfica de ilustrador ainda hoje reconhecida. Como estudioso interessado pela arqueologia, é de lembrar a sua co-responsabilidade editorial, juntamente com Sebastião Pessanha e Virgílio Correia, na revista etnográfica Terra Lusa.
Da publicidade aquando do lançamento da vertente obra:
«Esta obra onde se vai compendiar a História do Trajo Popular no nosso país, representando um valioso cometimento, destina-se a difundir, pelo pitoresco, do vestuário do povo, o conhecimento do caracter português nas suas exteriorizações sumptuárias. Nada existindo sôbre tal matéria, ela, por isso, representa um alto serviço prestado reunindo elementos dispersos de informação e formando um vasto núcleo de consulta para os artistas, literatos e comediógrafos que procuram, na idea de revigorar a tradição, a sentimentalidade e as usanças nacionais, bases firmes para erguer a sua obra artística e literária, aproveitando todo o pitoresco da comédia popular, manifestado com ingénua exuberância, na forma de trajar. Dada a novidade e o interêsse dêste trabalho, é de crer que ao autor-editor não faltarão razões para supor o bom acolhimento que lhe será dispensado.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Trajo da Nazaré




ABÍLIO LEAL DE MATTOS E SILVA
pref. Tomaz Ribas
trads. Valery Forman e Pedro Brito Aranha Risques Pereira

Lisboa, 1970
Editorial Astória
1.ª edição
trilingue (português / inglês / francês)
28 cm x 21,7 cm
86 págs.
profusamente ilustrado a cor
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos da biblioteca da Sociedade de Língua Portuguesa, carimbo de oferta do editor no ante-rosto
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Texto e desenho são de Mattos e Silva, num documento de grande interesse foclórico e etnográfico, que teve, nos aspectos técnicos, o apoio da costureira Mariana Carepa.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, maio 23, 2017

Um Anjo no Trapézio


MANUEL DA FONSECA
capa de Pilo da Silva

Lisboa, 1968
Prelo Editora
1.ª edição
19,7 cm x 14,3 cm
144 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Neo-realista militante de partido, o Autor, todo este seu livro de contos tem o sabor literário só proporcionável por um alentejano que vem à cidade observar-nos. Uma passagem que nos ilustra sob esse olhar:
«[...] Vindo do lado da Cordoaria, a rua é estreita como um beco. Alarga à medida que desce. Mas continua sempre estreita, angustiada, exígua. Fora e dentro das casas, nos quartos divididos por tabiques, nos corredores. Até nas janelinhas de sacada, bonitas à sua maneira, mas onde mal se cabe.
É preciso falar, sair das casas, senão sufoca-se. É preciso viver à vista da rua. Contar tudo, em grupos, pelas tabernas ou de longe, de porta para porta, de janela para janela. Desabafar, senão cometem-se crimes. Gritar o que se fez ou anda a pensar fazer. O que se viu ou ouviu. Tudo. Principalmente acontecimentos da vida íntima. Nossa ou alheia.
Velhos como a rua, de pé, no minúsculo degrau que faz de passeio, os barbeiros analisam os factos, criticam. Os diálogos refilam de uma vivacidade crua e mordaz. A ninguém, homem, mulher ou criança, nenhuma palavra é vedada. Obscena, cruel, satírica, odiosa, desde que sirva usa-se de voz corrente e simples. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Cerromaior




MANUEL DA FONSECA
capa de Manuel Ribeiro Pavia

Lisboa, 1943 (Dezembro)
Editorial «Inquérito», Ld.ª
2.ª edição
19,2 cm x 12,5 cm
304 págs.
composto manualmente em Elzevir
encadernação em meia-francesa com elegante gravação a ouro na lombada
aparado e carminado à cabeça
conserva as capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo, restauro marginal na folha das págs. 79-80
VALORIZADO PELA SIGNIFICATIVA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Cerromaior (ou seja, Santiago do Cacém, terra natal do poeta e romancista Manuel da Fonseca) mereceu do escritor Almeida Langhans, no ficheiro de leitura da Fundação Calouste Gulbenkian – serviço de aquisições para as Bibliotecas Itinerantes, a seguinte apreciação negativa:
«Valor – Há falta de uniformidade literária. Intenção – Narrativa dos mais mesquinhos costumes provincianos. Não aceitável. Esta obra deve ser excluída por causa do excesso de realismo do descritivo dos impulsos sexuais frequentes como um tema.» Disse.
Capa reproduzida no catálogo do Museu do Neo-Realismo, Ilustração & Literatura Neo-Realista (Vila Franca de Xira, 2008), em tudo idêntica à da edição original, excepto na cor do fundo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Poemas Completos


MANUEL DA FONSECA
pref. José Fernandes Fafe

Lisboa, 1958
Iniciativas Editoriais
1.ª edição
18,2 cm x 12,9 cm
4 págs. + IV págs. + 72 págs.
subtítulo: Rosa dos Ventos – Planície – Poemas dispersos
exemplar muito estimado; miolo limpo
57,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Seara de Vento



MANUEL DA FONSECA
sobrecapa do pintor [Marcelino] Vespeira

Lisboa, 1958
Editora Ulisseia Limitada
1.ª edição
20,1 cm x 13,5 cm
176 págs.
capa impressa a uma cor (preto) e relevo seco, revestida com sobrecapa
exemplar muito estimado, somente a sobrecapa apresenta uns pequenos restauros; miolo limpo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O Fogo e as Cinzas



MANUEL DA FONSECA
capa de Victor Palla

Lisboa, s.d. [1953]
Editorial Gleba, Lda.
1.ª edição
16,1 cm x 11,2 cm
168 págs.
é o n.º 7 da notável colecção Os Livros das Três Abelhas *, criada e dirigida pelo próprio Palla e por Aurélio Cruz
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Livro onde (ver Mário Sacramento, Há uma Estética Neo-Realista?, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1968) o escritor, logo no conto de abertura, «[...] descreve a decadência de valores humanos que a infiltração do capitalismo trouxe à vila pelas mãos do comboio, e mitifica assim uma idade de oiro preexistente [...].
Quer dizer: o escritor, ao criar a personagem [...] procura apoios nos quadros do passado – do passado histórico e do passado literário –, a fim de estabelecer confrontos, definir antagonismos e desencadear conflitos. [...]»

* Por se tratar da mesma época, e de um rol de títulos que, na sua grande maioria, vieram afrontar a censura vigente, embora especulando não podemos deixar de ver elos de ironia entre o nome escolhido para a colecção e as três abelhas de uma insígnia da Mocidade Portuguesa Feminina. É óbvio que livros como os publicados nessa colecção só poderiam perturbar a branda moral das peúgas passajadas ao serão por mocitas filiadas num destino de procriação, domesticidade assexuada, cabeça baixa na presença dos maridos e denúncia intriguista de vizinhos ditos subversivos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Questão Religiosa


JOSÉ D’ARRIAGA

Porto, 1905
Livraria de Alfredo Barbosa de Pinho Lousada – Editora
1.ª edição
18 cm x 11,7 cm
XIV págs. + 106 págs.
exemplar naturalmente envelhecido, pequenas falhas de papel na lombada; miolo limpo, rasgão no rodapé das págs. VII-X sem afectar o texto
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Prefácio do autor, que, em vésperas da queda da monarquia, alerta para o verdadeiro inimigo da inteligência e do progresso:
«[...] Combatendo a reacção religiosa, não queremos attentar contra as crenças dos que a promovem e sustentam, mas trazer a paz e harmonia a todas as seitas por meio da tolerancia, que constitue a base fundamental das sociedades contemporaneas.
Não é este opusculo um grito de guerra, como o são as obras publicadas pelas associações catholicas: é mais um brado a favor da tranquillidade dos povos, tão perturbada n’estes ultimos tempos pela reacção religiosa [...].
A campanha das associações catholicas consiste em guerrear nos paizes catholicos todas as religiões estranhas, oppondo-se ao livre exercicio dos seus cultos, e pedindo aos governos medidas de rigor contra ellas. Pretende manter em nossos dias os antigos fóros e privilegios da igreja catholica, os quaes foram origem do antigo regimen absoluto, e da intolerancia religiosa, que produziu os autos de fé, os carceres da Inquisição e cruzadas expurgatorias, etc.
A mesma reacção religiosa préga o exterminio dos que não pensam com a igreja catholica, dos que não acceitam seus dogmas e preceitos, dos livres pensadores, e de todos os que sahiram do gremio catholico. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Inglaterra[,] Portugal e Suas Colonias



JOSÉ D’ARRIAGA

Lisboa, 1882
Typographia do Commercio
1.ª edição
20,2 cm x 14,3 cm
4 págs. + 336 págs.
encadernação em meia-inglesa com gravação a ouro e relevo seco na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar muito estimado; miolo limpo
assinatura de posse no frontispício
60,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


sexta-feira, maio 19, 2017

Guia do Alveitar ou Vade-Mecum do Veterinario


J. F. DE MACEDO PINTO
V. J. D. MACEDO PINTO

Coimbra, 1901
Imprensa da Universidade
4.ª edição («melhorada, revista e augmentada»)
22,8 cm x 14,8 cm
VIII págs. + 224 págs.
subtítulo: Memorial Pathologico e Therapeutico e Formulario Pharmacologico
exemplar manuseado mas aceitável, restauros na capa; miolo limpo
assinaturas de posse na capa e no frontispício
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quinta-feira, maio 18, 2017

Filologia Barranquenha


J. LEITE DE VASCONCELLOS
nota de Gaspar Machado

Lisboa, 1955
Imprensa Nacional
22,6 cm x 16,7 cm
XVIII págs. + 218 págs.
subtítulo: Apontamentos para o seu estudo
exemplar estimado; miolo limpo
50,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial de Gaspar Machado:
«Representa este volume o último trabalho preparado directamente pelo saudoso professor, que o deixara já entregue ao prelo após uma primeira revisão. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Fonologia Mirandesa


JOSÉ G. C. HERCULANO DE CARVALHO

Coimbra, 1958
[ed. Autor]
1.ª edição
24,6 cm x 18,3 cm
6 págs. + 162 págs.
impresso sobre papel avergoado
exemplar muito estimado; miolo limpo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Prefácio do autor:
«[...] este trabalho, que eu não projectei como uma réplica aos Estudos [de Filologia Mirandesa] de Leite de Vasconcelos, mas antes como uma ‘mise au point’, que se me impôs como indispensável, antes de empreender qualquer outro estudo sobre este dialecto. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Manual do Dourador e Decorador de Livros


MARIA BRAK-LAMY BARJONA DE FREITAS

Lisboa, 1941
Livraria Sá da Costa – Editora
1.ª edição
16,3 cm x 12,2 cm
240 págs.
ilustrado
exemplar estimado; miolo limpo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

No seguimento do seu Manual do Encadernador, datado de 1937, a autora (1882-1952) entrega-nos aqui mais um útil instrumento de trabalho, para profissionais, mas com uma clareza de redacção prestável mesmo a amadores.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Imprensa Nacional


[ANÓNIMO]

Lisboa, 1975
Imprensa Nacional – Casa da Moeda
1.ª edição
vol. I [único volume publicado]
26,3 cm x 22,6 cm
524 págs.
subtítulo: Actividade de uma Casa Impressora – 1768-1800
encadernação editorial em tela encerada impressa a negro e vermelho na pasta anterior e na lombada
exemplar como novo
40,00 eur (IVA e portes incluídos)

Inventário das obras impressas sob os auspícios do Estado desde a fundação da Imprensa Nacional.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Imprensa Nacional


RAMIRO FARINHA

Lisboa, 1969
s.i. [ed. Autor ?]
1.ª edição
26,1 cm x 18,2 cm
80 págs.
subtítulo: Sinopse da Sua História – II Centenário, 1768-1968
ilustrado
acabamento com dois pontos em arame
exemplar muito estimado, capa marcada pela presença continuada da luz; miolo irrepreensível
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quarta-feira, maio 17, 2017

O Grande Cidadão


VIRGÍLIO MARTINHO

Lisboa, 1963
Editora Arcádia, Limitada
1.ª edição
18,1 cm x 10,6 cm
296 págs.
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
VALORIZADO PELA ASSINATURA DO AUTOR E PELA INCLUSÃO DA MISSIVA DO AUTOR AO DESTINATÁRIO DA OFERTA
é o exemplar n.º 632 de uma tiragem controlada pela Sociedade Portuguesa de Escritores
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

Da nota editorial na contracapa:
«Virgílio Martinho nasceu em Lisboa em 1928 [m. 1994], mas viveu toda a sua infância pela província, onde seu pai era ferroviário. Voltou à capital, já na adolescência, e aqui estudou e completou um curso secundário, sendo actualmente desenhador técnico. Dedicando-se à literatura, publicou um pequeno volume, Festa Pública, integrado na colecção A Antologia em 1958, organizada por Mário Cesariny de Vasconcelos, o que lhe valeu o apodo de prosador surrealista. [...]
O Grande Cidadão tem um certo ar de romance de antecipação. Na cidade onde a acção se passa, as ruas, as praças, os parques, as estradas, e também os governantes, as gentes, não possuem nomes do nosso tempo, determinados, comemorativos, de homenagem, mas sim nomes espaciais, quantitativos, geométricos; e os homens que dominam a cidade, sob as ordens do Grande Cidadão, são louros, fortes, super-homens feitos em série. Mas só aparentemente este romance é de antecipação: o que se quis foi dar em forma romanesca, despersonalizando o mais possível o espaço e o tempo, o processo impiedoso e terrível de todos os regimes totalitários, actuais ou passados. E com esse processo, a história daqueles que arriscam tudo para combater “O Grande Cidadão”, que se obstinam na humanidade, nos quais subsiste a face humana capaz de amar verdadeiramente, capaz do sacrifício e da solidariedade.»
Deve sublinhar-se, de passagem, o quão devedor é este romance do 1984 de Orwell...

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Caça


VIRGÍLIO MARTINHO
capa, grafismo e ilust. João B. [João Botelho, cineasta]

s.l. [Porto], 1 de Abril, 1974
A Regra do Jogo (Edição de José M. C. Sousa Ribeiro)
1.ª edição
21 cm x 12,6 cm
82 págs.
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
37,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Menino Novo



VIRGÍLIO MARTINHO
capa e grafismo de Vitor Silva Tavares

Lisboa, 1988
Edição do Autor
1.ª edição
21 cm x 12,6 cm
44 págs.
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
ostenta colado no verso da capa o ex-libris de Carlos Silva
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Danças e Dançarinos em Lisboa



MÁRIO COSTA

Lisboa, 1962
Câmara Municipal de Lisboa
[1.ª edição]
21,8 cm x 16 cm
346 págs. + 26 extra-textos impressos a preto e branco
subtítulo: História, Figuras, Usos e Costumes
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
45,00 eur (IVA e portes já incluídos)

Estudo histórico e antropológico das danças e sua origem, do mesmo modo que é, simultaneamente, uma crónica da sociedade lisboeta. Do vulgar baile de salão à roda folclórica, passando pelas marchas e arraiais populares e enumerando figuras emblemáticas como pianistas, mestres de dança ou professores, tudo o autor teve em conta num texto agradável e dinâmico.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Novo Methodo de Danças de Salão ou O Verdadeiro Guia das Danças Modernas – Composto expressamente para uso dos portuguezes



A. LOPES

Porto, 1885
Papelaria e Typ. Azevedo
1.ª edição
19,2 cm x 14,4 cm
XIV págs. + 354 págs. + 42 folhas em extra-texto (gravuras) + 11 desdobráveis em extra-texto (partituras)
profusamente ilustrado
encadernação editorial assinada A. R. Leite – Enc., inteira em tela gravada a negro e ouro nas pasta anterior e lombada, e a seco na pasta posterior
corte das folhas carminado
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
PEÇA DE COLECÇÃO
470,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do Prefácio do autor:
«[...] É preciso que façamos uma ideia mais elevada d’esta bella arte. É preciso que a consideremos como parte integrante d’uma boa educação, e que nos convençamos de que o seu estudo é um verdadeiro exercicio de gymnastica, mas gymnastica de sala, e por isso mesmo um meio hygienico proprio para desenvolver os membros na creança e no adulto. [...]
O estudo da dança não é portanto um estudo superfluo, e impõe-se tam naturalmente a uma sociedade culta que, se fôrmos buscar a sua origem, teremos de remontar até ás primeiras gerações. Ella apparece-nos até preconisada pelo proprio Moysés, que a auctorisou como divertimento justo e necessario nas horas do descanço. Era rude e grosseira como rudes e grosseiros eram os costumes dos tempos primitivos; porém a dança sempre inherente aos costumes dos povos, caminhou a par com a civilisação, aperfeiçoando-se e circumscrevendo-se a regras fundamentaes e invariaveis. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Manual de Dança e do Cotillon


[ANÓNIMO]

Lisboa, 1916
Editor Arnaldo Bordalo | Livraria Bordalo
9.ª edição («correcta e extraordinariamente aumentada»)
18,6 cm x 12,1 cm
152 págs.
subtítulo: Cotillon com e sem acessorios
exemplar envelhecido mas aceitável; miolo limpo, ocasionais manchas de acidez
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Manual Pratico do Licorista


MANUEL ANTONIO DO CARMO

Lisboa, 1922
Livraria Popular de Francisco Franco
4.ª edição
20,2 cm x 13,4 cm
96 págs.
subtítulo: Contendo numerosas receitas para a fabricação pratica de licores comerciaes, crémes de licores e licores crystalisados, sendo estas formulas de licores quasi desconhecidos em Portugal, cognacs, aguardentes, xaropes, etc., etc.
ilustrado («com as gravuras indispensaveis»)
exemplar envelhecido mas aceitável; miolo limpo
assinatura de posse no verso da capa
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


El Progreso Industrial



ISAAC SAN MARTIN Y GARCIA

San Sebastian, 1885
Establecimiento Tipográfico de L. Duras y C.ª
2.ª edição (corrigida e aumentada)
20,5 cm x 13,3 cm
112 págs.
subtítulo: Fabricacion sencilla y económica de jabon, aguardientes, vinagre, cerveza, gaseosa, vinos, licores, jarabes, barnices, etc., etc.
encadernação recente de amador em pano cru com rótulo colado sobre a pasta anterior
conserva somente a capa de brochura posterior (com informação publicitária)
exemplar estimado; miolo limpo
25,00 eur

Dizia, em anúncio próprio, da época, a Revista Popular de Conocimientos Utiles (ano V, tomo XVI, [Madrid], 31 de Agosto, 1884):
«[...] La obra El Progreso Industrial está escrita con tanta claridad, que basta leerla una vez para saber fabricar todo lo que en ella se explica. Varios periódicos se han ocupado de este libro, y lo han recomendado á sus suscritores. Para la fabricacion de estas industrias no se necesitan aparatos especiales, y puede empezarse su explotacion con 15 ó 20 duros. Para la fabricacion de estas industrias con toda perfeccion no se necesita la enseñanza práctica. Los procedimientos que se emplean en la fabricacion, son ten faciles, que una vez leido nuestro libro El Progreso Industrial, no hay persona, por torpe que sea, que deje de elaborarla. [...]»


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

domingo, maio 14, 2017

Silvicultura


MÁRIO D’AZEVEDO GOMES
capa de Mário M. Nogueira
ilust. Ribeiro

Lisboa, 1947
Livraria Sá da Costa
[1.ª edição]
20,2 cm x 14,9 cm
240 págs.
ilustrado no corpo do texto
exemplar estimado; miolo limpo
etiqueta e carimbo da biblioteca dos Serviços Florestais no ante-rosto e no rosto
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Monografia do Parque da Pena


MÁRIO DE AZEVEDO GOMES
ilust. fotog. Salvador Fernandes

Lisboa, 1960
s.i. [ed. Autor ?]
1.ª edição
25,3 cm x 18,7 cm
360 págs. + 60 págs. em extra-texto (reproduções fotográficas) + 3 encartes, dois dos quais desdobráveis (mapas)
subtítulo: Estudo Dendrológico-Florestal
profusamente ilustrado em separado
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
dedicatória de posse no ante-rosto
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se da descrição pormenorizada do parque florestal. No final o autor apresenta uma relação por ordem alfabética dos exemplares botânicos mais interessantes e a sua localização no terreno.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Cintra Pinturesca, ou Memoria Descriptiva da Villa de Cintra, Collares, e seus arredores



[VISCONDE DE JUROMENHA]

Lisboa, 1838
Typographia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis
1.ª edição
22,3 cm x 14,6 cm
2 págs. + 232 págs.
muito elegante encadernação da época em pele e papel de fantasia, com invulgar gravação a ouro na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar muito estimado; miolo limpo 
175,00 eur (IVA e portes incluídos)

O autor, João Antonio de Lemos Pereira de Lacerda, visconde de Juromenha, segundo Inocêncio Francisco da Silva, «Nasceu a 25 de maio de 1807, n’uma casa da rua de S. Domingos, á Lapa em Lisboa, sendo filho primogenito do 1.º visconde de Juromenha, Antonio de Lemos Pereira de Lacerda, tenente general, e de sua mulher D. Maria da Luz Willougby da Silveira. Depois dos primeiros estudos no collegio de S. Pedro e S. Paulo, vulgo Inglezinhos, passou para o collegio dos nobres, então dirigido pelo professor Ricardo Raymundo Nogueira, um dos governadores do reino na ausencia de el‑rei D. João VI, emquanto a côrte portugueza se conservou no Brazil; e d’ahi foi para Coimbra, onde fez o exame de preparatorios, em que incluiu os dos idiomas francez, inglez, latinidade e grego, matriculando‑se em seguida nos cursos de mathematica e philosophia, que teve que interromper por causa da guerra civil. Seguindo a causa do sr. D. Miguel, devidamente auctorisado por seu pae para deliberar e votar, assistiu á reunião dos tres estados do reino, em julho de 1828 [...].
Não tem, por sem duvida, devido á excessiva modestia do seu viver, e ao limitado de suas relações litterarias e scientificas, muitos titulos de academias ou corporações litterarias. Pertenceu ao antigo conservatorio dramatico, e ultimamente lhe conferiram, sem o solicitar e sob proposta do academico sr. Silva Tullio, o diploma de socio correspondente da academia real das sciencias de Lisboa.
A sua estreia, na carreira das boas letras, foi a publicação da obra [...] Cintra pinturesca, 1838‑1839, trabalho revisto por Alexandre Herculano, com quem estabelecêra relações por intermedio do seu antigo condiscipulo e brilhante escriptor, Ignacio Pizarro de Moraes Sarmento, conservando sem interrupção e sem azedume essas relações com o distincto historiador, apesar da profunda divergencia de opiniões politicas. [...]» (Diccionario Bibliographico Portuguez, tomo X [Brito Aranha], Imprensa Nacional, Lisboa, 1883)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Descripção do Palacio Real na Villa de Cintra, que ali teem os Ses. Reis de Portugal



A. D. DE CASTRO E SOUZA, abade

Lisboa, 1838
Typographia de A. S. Coelho
1.ª edição
19,8 cm x 12,5 cm
2 págs. + 42 págs.
composto manualmente
exemplar estimado; miolo irrepreensível, papel sonoro
encontra-se no estado físico em que foi comercializado na época, mantido sem restauro apesar da fragilidade na dobra
ostenta na última página o selo de entrada na Bibliotheca Conde Sucena
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

António Dâmaso de Castro e Sousa foi abade titular de Santa Eulália de Rio de Moinhos (Braga), académico honorário da Academia de Belas-Artes, sócio do Conservatório Real de Lisboa, sócio efectivo da Sociedade Arqueológica Lusitana, etc.; cavaleiro das ordens de Cristo, de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, e da Torre e Espada, mercês do rei D. João VI. Em 1867, Inocêncio Francisco da Silva, no seu Diccionario Bibliographico Portuguez (vol. VIII), dá notícia de que «O Governo, querendo aproveitar o seu zeloso prestimo, o nomeou ultimamente Adjunto ao Provedor da Sancta Casa da Misericordia de Lisboa, logar que ainda desempenha».

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Investigação ao Castello, situado na Serra de Cintra



A. D. DE CASTRO E SOUSA, abade

Lisboa, 1843
Na Typ. de A. J. C. da Cruz
1.ª edição
20,5 cm x 13,3 cm
20 págs.
composto manualmente
acabamento em cadernos soltos cosidos à linha
encontra-se no estado físico em que circulou na época, sem capas, portanto
exemplar estimado; miolo limpo
60,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Antologia do Conto Abominável


[ANÍBAL FERNANDES, org., trad. e notas]
pref. Vitor Silva Tavares
capa e grafismo de Carlos Fernandes

Lisboa, 1969
Edição de Fernando Ribeiro de Mello (Edições Afrodite)
1.ª edição [única]
21 cm x 14,6 cm
304 págs.
exemplar estimado; miolo limpo, foxing nas primeira e última folhas, assim como no verso das capas
45,00 eur (IVA e portes incluídos)

Colectânea da melhor ficção de horror gótico, ou fantástico, e de humor negro, inserindo-se numa tradição com o seu expoente máximo na Antologia do Humor Negro, de André Breton, que virá também a ser publicada na Afrodite. A Antologia do Conto Abominável, de par com uma outra (De Fora Para Dentro, Afrodite, Lisboa, 1973), constituem uma espécie de matriz de todo um coerente projecto de dar a conhecer em Portugal autores estranhos à cultura oficial (e mesmo à cultura dos núcleos da resistência ao fascismo do Estado Novo), levado a cabo, nos últimos quase cinquenta anos, ininterruptamente, pelo tradutor e proponente editorial Aníbal Fernandes. Numa linha de interdições sistemáticas de circular em liberdade, também este título do então magnífico catálogo das edições de Fernando Ribeiro de Mello foi proibido pela censura.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


De Fora para Dentro


ANÍBAL FERNANDES [org., notas e tradução]
capa de Jorge Costa Martins


Lisboa, 1973
Fernando Ribeiro de Mello – Edições Afrodite
1.ª edição [única]
20,9 cm x 14,6 cm
432 págs. + 26 apartes impressos a sanguínea e colados em extra-texto
exemplar estimado; miolo limpo
35,00 eur (IVA e portes incluídos)

Notável reunião de acutilantes observações que estrangeiros, ao longo dos séculos, uns viajantes, outros menos, registaram acerca de Portugal. Voltaire, Beckford, Thomas Owen, Thomas Mann, Leopold Sedar Senghor, Cervantes, Chateaubriand, Byron, Blaise Cendrars, Unamuno, etc., entre outros, aí surgem coadjuvados pela opinião local de alguns outros como Aquilino Ribeiro, José Rodrigues Miguéis ou Vitorino Nemésio.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

A Verdade



MARECHAL DUQUE DE SALDANHA

Lisboa, 1869 [aliás, 1868]
Imprensa Nacional
1.ª edição
22,8 cm x 15 cm
2 págs. + 64 págs.
luxuosa e elegante encadernação inteira em pele com gravação a ouro nas pastas e na lombada
corte carminado apenas à cabeça
conserva as capas de brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
VALORIZADO PELO SELO BRANCO DO DUQUE DE SALDANHA NO FRONTISPÍCIO
150,00 eur (IVA e portes incluídos)

De seu nome inteiro João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun (1790-1876), foi 1.° conde, 1.° marquês e 1.° duque de Saldanha; foi ainda marechal-general do Exército, par do Reino, conselheiro de Estado efectivo, presidente do Conselho de Ministros, ministro da Guerra e ministro plenipotenciário em Londres, mordomo-mor da Casa Real, vogal do Supremo Conselho de Justiça Militar, etc.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Pensamento Criacionista


LEONARDO COIMBRA

Porto, 1915
Edição da Renascença Portuguesa
1.ª edição
18,1 cm x 12,1 cm
224 págs.
subtítulo: Lições efectuadas na Universidade Popular do Porto em Abril e Maio de 1914
composto manualmente
encadernação editorial em tela gravada a ouro na pasta anterior e na lombada
conservas as capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
assinaturas e carimbos de posse nas folhas-de-guarda e no frontispício
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Co-fundador da Renascença Portuguesa, por duas vezes ministro da Instrução Pública, «[...] Orador, professor e filósofo excepcionalmente dotado, deixou-nos a obra especulativa mais importante, original e removedora da primeira metade do século XX e formou um escol de discípulos – Newton de Macedo, Delfim Santos, José Marinho, Álvaro Ribeiro, Sant’Anna Dionísio, Augusto Saraiva e António Dias de Magalhães – cujo pensamento marcou decisivamente as mais recentes décadas.
O sistema filosófico criacionista, que veio desenvolvendo desde 1912, é uma forma pessoal de idealismo radicado numa noção aberta e dinâmica da razão e numa ontologia pluralista e ascendente, coroada por uma teodiceia de inspiração franciscana e cristã, que não exclui um fundo sentido cósmico.» (In Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, vol. III, Publicações Europa-América, Mem Martins, 1994)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Poema de Humildade



AMÉRICO DURÃO
desenhos de Luís Filipe Abreu

Lisboa, 1964
Sociedade de Expansão Cultural
edição definitiva [2.ª edição]
24 cm x 18,7 cm
128 págs.
ilustrado
impresso a duas cores sobre papel superior
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
25,00 eur (IVA e portes incluídos)

Poeta e dramaturgo nascido perto de Coruche nos finais do século XIX, esteve de algum modo, por incentivo, na génese da publicação dos primeiros poemas de Florbela Espanca, de cuja poesia colhe influências indesmentíveis. Foi autor participante nas revistas A Águia, Contemporânea e, apesar da sua retrógada religiosidade, e não só, também na Seara Nova...

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Volfrâmio


AQUILINO RIBEIRO

Lisboa, s.d. [1944]
Livraria Betrand
«nova edição, 5.º milhar» [2.ª edição]
19 cm x 12,7 cm
448 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR AO ESCRITOR MÁRIO DOMINGUES
70,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se de um romance em que Aquilino Ribeiro, além de mostrar o colaboracionismo dos portugueses na Segunda Guerra Mundial, fornecendo volfrâmio quer às fábricas de material bélico dos nazis, quer às dos aliados, destrói o mito de que o povo rural é simples, honesto e decente, quando afinal na província pululam todos os horrores dos centros urbanos: a traição, a mentira, a inveja, o crime organizado – o homem lobo do homem, em suma.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


É a Guerra


AQUILINO RIBEIRO

Lisboa, s.d. [1934]
Livraria Bertrand
1.ª edição
19,1 cm x 12,9 cm
304 págs.
subtítulo: Diário
exemplar envelhecido e muito manuseado mas aceitável; miolo limpo
sinete do autor na pág. 6
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Do texto de abertura que o Autor, em Maio de 1934, dirige a António Gomes Mota:
«[...] A Alemanha que procede de Versalhes é dos tais vencidos a que deixaram os olhos para poder chorar. Retalharam-na, empobreceram-na, humilharam-na, quando a boa política seria apenas arrancar-lhe unhas e dentes, que tão assanhadamente arranharam e morderam, para que cêdo, um meio século, não ousasse recomeçar.
[...] a Alemanha derivou para inimiga figadal do género humano. Em Versalhes não se pretendeu estabelecer a verdadeira concórdia entre as nações, mas sim dar satisfação aos ódios triunfantes. É explicável. Mas deixassem, ao menos, criar ossatura à nascente democracia alemã, chorona e paz de alma. Ao contrário, a mísera veio disforme à luz e morreu de consumpção chupada pelos vampiros francês e britânico com seus acólitos. Hitler desabrochou do nateiro de miséria, de opressão, de vexame, de rancor reprimido como flor onde menos se espera, miraculosamente, por conjura do vento, húmus e sol. Aí teem Átila II. Por agora está a forjar o gládio; quando o tiver forjado, brandi-lo-á com fúria sôbre a Europa espavorida e nada saberá resistir-lhe. É fatal. [...]»
A continuação desta linha de pensamento e análise da história então recente, num inconfundível estilo de reportagem, prolongar-se-á pelo volume do ano seguinte, Alemanha Ensanguentada.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quinta-feira, maio 11, 2017

A Visita do Papa


ALBERTO PIMENTA

Lisboa, Maio de 1982
& etc
1.ª edição
20,3 cm x 16,1 cm
20 págs.
acabamento com dois pontos em arame
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Um pormenor, que alguns ignorarão hoje por falta de memória ou de referências, é o lettering na capa, em que, para a palavra Papa, se fez um tratamento gráfico das letras a partir de uma então popular marca de papel higiénico. Também o texto, que alinha pela bitola do repúdio da vinda do sumo-pontífice a Portugal, desenvolve trocadilhos e alusões em torno dessa dita marca.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Lei da Separação do Estado das Igrejas


Porto, 1911
Livraria Fernandes Suc. J. Pereira da Silva – Editor
[1.ª edição]
19,8 cm x 14,1 cm
32 págs.
subtítulo: Cópia fiel do “Diario do Governo”
acabamento com um ponto em arame
exemplar envelhecido mas aceitável, restauros na contracapa; miolo limpo, pequena falha de papel no bordo inferior direito da primeira folha
80,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


A Igreja e os Regimes Políticos



ALFREDO PIMENTA

Lisboa, 1942
Edição da Junta Escolar Monárquica de Lisboa
1.ª edição
21,4 cm x 15,3 cm
48 págs.
exemplar como novo; miolo por abrir
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Conferência escrita e pronunciada com intuitos pedagógicos diante de uma plateia de jovens monárquicos... O autor, é o conhecido «aldrabão Pimenta» (ver João Paulo Freire), que desde que o tino lhe deu para a intervenção política, passou, à vez, por todas as doutrinas da sua época: anarquista, republicano, integralista, monárquico, católico e, finalmente, salazarista, fascista e nazi! Faleceu em 1950, porque, caso contrário, teria tido ainda oportunidade de passar por spinolista e comunista aos 90 anos de idade! No vertente discurso, está por monárquico, terminando a sua lição aos jovens assim:
«[...] se a Igreja se não pronunciou, pronunciaram-se, na Igreja, vozes oportunas e autorizadas, proclamando que a Realeza era o melhor (praestantior) de todos os governos, e que o Sufrágio universal era a chaga destruïdora da ordem social.
[...] Porque parte dum princípio que exclui a origem divina do Poder, e porque tem como base essencial e seu animador integral, o Sufrágio universal, cuja destruïção merece a bênção dum Pontífice – e dos maiores da Igreja –, não é possível encontrar-se ou defender-se a compatibilidade da Igreja com a República.»
E disse!

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089