segunda-feira, abril 30, 2018

Cartas de Lisboa



CARLOS MALHEIRO DIAS

Lisboa, 1905 e 1907
Livraria Classica Editora de A. M. Teixeira & Cta.
1.ª edição
3 volumes (completo)
18,9 cm x 12,5 cm
366 págs. + 304 págs. + 334 págs.
exemplares estimados, capas sujas e restauros nas lombadas dos dois primeiros volumes; miolo limpo
assinatura de posse de Joaquim de Moura Relvas nos dois primeiros, carimbo e selo de entrada na Biblioteca do Conservatório Nacional no terceiro volume
65,00 eur (IVA e portes incluídos)

Inicialmente publicadas entre 1904 e 1906, sob forma croniqueira, nas páginas de O Comércio do Porto, a importância que o seu autor lhes dá pode, ainda hoje, constituir um exemplar pretexto para prosadores em ascensão. Da nota introdutória ao segundo volume: «[...] Um dos assumptos mais familiares a estas ligeiras e despretenciosas cartas, fôra a vida mundana de Lisboa. A escolha de tal assumpto traduzia menos a minha competencia e predilecção por elle do que o reconhecimento da sua importancia na historia dos costumes, unica em que se deve exercitar a actividade laboriosa de um chronista. Não me competiam, no jornal para que habitualmente as escrevo, as graves dissertações de caracter politico, ou as ponderadas apreciações do movimento economico. Mas a vida não se reduz a essas duas grandes manifestações do talento e do esforço humanos. O que menos se na vida e o que menos espaço occupa n’ella são esses formidaveis geradores de energia social, que imprimem e regulam o movimento aos factos. [...]» Assim, sabendo que quer a história económica, quer a da política são incapazes de nos relatar a verdadeira vida, o monárquico Malheiro Dias mistura-se nos pequenos acontecimentos quotidianos, não propriamente do povo mas nas intrigas de uma burguesia urbana nascente, e dá-nos o afresco dos últimos anos que antecederam o triunfo da República.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089