sexta-feira, novembro 25, 2022

OS NOSSOS PREÇOS JÁ INCLUEM =IVA= E DESPESAS DE =ENVIO= EM PORTUGAL

mais de 4.700 obras disponíveis nesta montra
é só ir clicando ao fundo da página
em
Mensagens antigas

contacto:
telemóvel: 919 746 089


todas as obras fotografadas correspondem aos exemplares que se encontram à venda
livros usados (salvo indicação «como novo», ou «novo»)
os nossos preços já incluem IVA à taxa em vigor e os custos de envio
todas as encomendas são enviadas em correio registado
international shipping rates
* e-business professional
pagamentos por PayPal, transferência bancária ou contra-reembolso

* em cumprimento da Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro – Resolução Alternativa de Litígios de consumo (RAL), artigo 18.º, cabe-nos informar que a lista de Centros de Arbitragem poderá ser consultada em www.consumidor.pt/


Estudos sobre a Defeza do Paiz

 

ALBERTO OSORIO DE VASCONCELLOS

Lisboa, 1869
Typograpbia Universal
1.ª edição
222 mm x 143 mm
96 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
anotações de posse na capa e na última página
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR [NÃO ASSINADA]
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Tratado de Equitação Racional Segundo o Systema Baucher

 


DAMASCENO ROZADO

Lisboa, 1880
Typographia Lisbonense
1.ª edição
225 mm x 147 mm
XXVI págs. + 102 págs. + 13 folhas em extra-texto (estampas)
subtítulo: Dedicado em geral a todos os individuos que possuem cavallos e particularmente aos officiaes do Exercito
profusamente ilustrado em extra-texto
encadernação antiga em meia-inglesa gravada a ouro na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado, pastas com sinais de caruncho; miolo irrepreensível
ostenta colado no verso da pasta anterior o ex-libris de Fernando d’Abreu
PEÇA DE COLECÇÃO
250,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Notícias Históricas dos Trabalhos de Evangelização nos Territórios de Niassa

 

SANTANA SEBASTIÃO DA CUNHA, padre

Bastorá (Índia Portuguesa), 1934
Tipografia Rangel
1.ª edição
222 mm x 144 mm
4 págs. + 68 págs.
subtítulo: Hoje divididos em distritos de Cabo Delgado e Niassa
encadernação inteira em imitação de pele gravada a ouro na lombada
pouco aparado
conserva as capas de brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
37,00 eur (IVA e portes incluídos)

Estudo importante para o entendimento da colonização portuguesa em Moçambique, mostrando como a influência da religião imposta pelo colonizador foi crucial no domínio das vastas populações invadidas. Nesse mesmo sentido, o de neutralizar as culturas e o poder social autóctones, é igualmente aflorada, pelo autor, a importância da miscigenação: «[…] De todos êstes cruzamentos resultou, como não podia deixar de ser, visto darem-se uns num sentido e outros exactamente no oposto, por um lado o melhoramento gradual, até à extinção dos seus caracteres distintivos, do elemento preto que não sustou o seu movimento progressivo […].»

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

quinta-feira, novembro 24, 2022

Roteiro da Viagem de Vasco da Gama em MCCCCXCVII



[ÁLVARO VELHO]
«algumas observações principalmente philologicas por» A. [Alexandre] Herculano e o barão do Castelo de Paiva

Lisboa, 1861
Imprensa Nacional
2.ª edição («correcta e augmentada»)
241 mm x 165 mm
2 págs. + XLIII págs. + 182 págs. + 2 folhas em extra-texto + 2 desdobráveis em extra-texto
ilustrado
encadernação antiga em meia-inglesa gravada a ouro e negro na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar estimado, falhas de papel nos cantos superiores direitos das duas primeiras folhas; miolo limpo
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO BARÃO DO CASTELO DE PAIVA (ANTÓNIO DA COSTA PAIVA, 1806-1879) RASURADA NO NOME DO DESTINATÁRIO
150,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Codigo do Bom Tom

 

J.-I. [JOSÉ IGNÁCIO] ROQUETTE

Paris, 1859
Vª J.-P. Aillaud, Monlon & C.ª
3.ª edição
178 mm x 120 mm
4 págs. + IV págs. + 304 págs.
subtítulo: Regras da civilidade e de bem viver
elegante encadernação coeva inteira em pele gravada a ouro na lombada, folhas-de-guarda em papel marmoreado
aparado, sem capas de brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
120,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

O Papa-Rei e o Concilio

 

MANUEL NUNES GIRALDES

Lisboa, 1870
Typographia Universal de Thomaz Quintino Antunes
1.ª edição
218 mm x 150 mm
2 págs. + 286 págs.
impresso sobre papel superior
muito elegante encadernação coeva inteira em pele gravada a ouro na lombada
pouco aparado, sem capas de brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
PEÇA DE COLECÇÃO
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

Diz-nos Inocêncio Francisco da Silva [aliás, Brito Aranha], no Diccionario Bibliographico Portuguez (tomo XVI, Na Imprensa Nacional, Lisboa 1893):
«Manuel Nunes Giraldes, natural da Covilhã, filho de Gregorio Nunes Giraldes e de D. Rita Candida Rodrigues Valente, nasceu a 10 de março de 1837. Recebeu o grau de doutor em direito na universidade de Coimbra em 31 de julho de 1859. É actualmente lente cathedratico e professor de economia politica da mesma universidade, commendador da nobilissima ordem de S. Thiago, de merito scientifico, litterario e artistico […]
Da obra O papa-rei e o concilio resultou não só uma fulminação do Indice expurgatorio, de Roma, mas uma polemica viva e vehemente, em que entraram diversos. Começarei por transcrever a parte da decisão do Indice referente a essa obra, e é do teor seguinte:
“A sagrada congregação dos eminentissimos e reverendissimos cardeaes da Santa Igreja Romana em toda a christã republica pelo Nosso Santo Padre Pio IX propostos para o Indice de doutrina depravada e para a sua proscripção, expurgação e permissão, em sessão de 6 de setembro, condemnou e condemna, proscreveu e proscreve, como outras já condemnadas e proscriptas, mandou e manda inserir no Indice dos livros prohibidos as seguintes obras:”
Segue-se a indicação de varias, e entre ellas acha-se:
O papa-rei e o concilio, por Manuel Nunes Giraldes […] Portanto, ninguem, seja de que grau ou condição for, ouse imprimir de futuro, ou ler e conservar, em qualquer logar ou lingua, as preditas obras condemnadas e proscriptas, mas deve entregal-as aos ordinarios locaes ou aos inquisidores da depravação heretica, sob as penas declaradas no Indice dos livros prohibidos. […]”»
Já antes o padre Francisco Grainha, da Covilhã, fulminára o livro em sermão prégado na igreja de Santa Maria Maior da mesma cidade, em solemnidade em acção de graças no anniversario da coroação de Pio IX, censurando o auctor pelo arrojo e descaramento com que vinha affrontar as crenças de um povo tão eminentemente catholico, etc. […]»

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Morte do Palhaço e o Mistério da Árvore


RAÚL BRANDÃO
[capa de ?]
ilust. Martinho da Fonseca

Lisboa, 1926
Edição da «Seara Nova»
1.ª edição
185 mm x 126 mm
292 págs.
ilustrado no corpo do texto
impresso sobre papel superior
luxuosa encadernação em meia-inglesa gravada a ouro na lombada e relevo seco no remate da pele
aparado à cabeça
conserva a capa anterior da brochura
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
é o n.º 77 de uma tiragem especial de apenas 100 exemplares numerados e assinados pelo autor
85,00 eur (IVA e portes incluídos)

Livro que reformula e amplia uma das primeiras publicações de Brandão, de 1896, a História d’um Palhaço (A Vida e o Diário de K. Maurício), tendo sobrevivido a tal revisão sobretudo os sinais autobiográficos do alterego K. Maurício.
Do ponto de vista “literário” das polícias do Estado Novo, seria um texto a abater. Tanto assim que ainda em 1949 andavam às voltas com ele na tentativa de interditá-lo, o que só não aconteceu porque o próprio censor, na altura o capitão José Brandão P. de Melo, julgou no mínimo atrasado o propósito, conforme o respectivo despacho de 14 de Março, a pedido da PIDE:
«Não se compreende a razão de apresentar-se agora, em 1949, opinião censorial acêrca de uma obra impressa no longiquo [sic] ano de 1926 e que desde essa data (há, portanto, 23 anos) se vende e circula livremente.
Mas diz-se, agora, o que devia ter sido dito em 1926:
“A morte do palhaço e o mistério da arvore [sic]”, de Raul Brandão, sendo, aliás, uma obra pouco recomendável pelo seu negativismo pessimista e amoral, bem como pelas suas possiveis [sic] más influencias [sic] desmoralisantes, não chega, porém, a ser uma obra cuja circulação deva ser interdita.
Tal interdição, de resto, 23 anos apoz a publicação da obra, depois de 23 anos da sua livre circulação, teria um odioso aspecto por assim dizer póstumo e já pouco menos do que inutil [sic] ou não.»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


 

ANTONIO NOBRE
ilust. Eduardo Moura, e Julio Ramos
retrato do autor «d’ après Thomaz Costa»


Paris – Lisboa | Rio de Janeiro – São Paulo – Belo Horizonte, 1913
Livraria Aillaud e Bertrand | Livraria Francisco Alves
3.ª edição
200 mm x 106 mm
176 págs.
profusamente ilustrado
ilustrações monocromáticas impressas a diferentes cores
luxuosa encadernação editorial inteira em pele goufrada com gravação a ouro nas pastas e na lombada, cercaduras em relevo seco, folhas-de-guarda em papel com motivos de florália
corte das folhas arredondado nos cantos e dourado à cabeça
conserva a capa anterior da brochura
exemplar em bom estado de conservação, fêstos frágeis; miolo muito limpo, restauro na primeira folha
PEÇA DE COLECÇÃO
180,00 eur (IVA e portes incluídos)

Edição graficamente muito elegante, é a verdadeira 3.ª edição, que serviu à Renascença Portuguesa, no mesmo ano, de modelo para uma pseudo-terceira de circulação nortenha.
Trata-se do poeta que melhor soube trazer para dentro da retórica dos versos, já depurado, o romantismo narrativo das Viagens na Minha Terra de Garrett:

«[...] E o carro ia aos solavancos.
Os passageiros, todos brancos,
Ressonavam nos seus gabões:
E eu ia álerta, olhando a estrada,
Que em certo sitio, na Trovoada,
Costumavam sair ladrões.

Ladrões! Ó sonho! Ó maravilha!
Fazer parte d’uma quadrilha,
Rondar, á Lua, entre pinhaes!
Ser Capitão! trazer pistolas,
Mas não roubando, – dando esmolas
Dependuradas dos punhaes... [...]»

É este escritor que um poeta nosso contemporâneo recente – João Miguel Fernandes Jorge – louvava no semanário Expresso (11 de Abril, 1987) nos seguintes termos: «[...] O  é uma lição de portugalidade, aprendi nele Portugal e foi ele que me conduziu à monarquia, por exemplo [...]. Penso que toda a poesia arrasta consigo um sentido de mensagem, por isso o Nobre me seduziu. O Nobre é um dos mentores do Estado Novo. [...]»

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089



ANTONIO NOBRE
desenhos de Eduardo Moura e Julio Ramos
retrato do Autor «d’après Thomaz Costa»

Paris – Lisboa / Rio de Janeiro – São Paulo – Belo Horizonte, 1913
Livrarias Aillaud e Bertrand / Livraria Francisco Alves
3.ª edição
20 cm x 11 cm (esguio)
176 págs.
profusamente ilustrado a cores
encadernação antiga meia-francesa em pele e papel de fantasia com ferros a ouro na lombada, nervuras pespontadas, cantos em pele
muito pouco aparado, sem as capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
120,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Despedidas, 1895-1899



ANTONIO NOBRE
pref. José Pereira Sampaio (Bruno)

Porto, 1902
ed. Augusto Nobre [irmão do Poeta]
1.ª edição
23 cm x 14,9 cm
10 págs. + 128 págs.
impresso em papel superior avergoado
luxuosa encadernação em meia-inglesa com cantos em pele e gravação a ouro na lombada
conserva as capas de brochura
aparado e carminado somente à cabeça
exemplar muito estimado; miolo limpo
inclui a fotografia do Autor em brometo de prata que aparece somente em alguns poucos exemplares
140,00 eur (IVA e portes incluídos)

Editado por altura do segundo aniversário da morte de Nobre, documenta aquilo que pode ter sido o embrião de um segundo livro de versos.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Os de Paris a João de Deus


aa.vv.
org. Xavier de Carvalho

Paris–Lisboa, 1895
Guillard, Aillaud & Cia
1.ª edição [número único]
32,6 cm x 24,8 cm
28 págs.
profusamente ilustrado a cor
impresso sobre papel superior
exemplar estimado; miolo limpo
85,00 eur (IVA e portes incluídos)

Homenageando o lírico algarvio João de Deus (1830-1896), abre a publicação o magnífico Eça de Queirós, seguido de outros escritores como Jayme de Séguier, Moniz Barreto, Silva Lisboa ou António Nobre; e de ilustradores como Sousa Pinto ou Teixeira Lopes. Do compositor Óscar da Silva é reproduzida a sua notação musical para o poema Engeitadinha de João de Deus.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Atletismo

 

SALAZAR CARREIRA

Lisboa, s.d.
Livraria Popular de Francisco Franco
s.i.
191 mm x 125 mm
328 págs.
subtítulo: Técnica e preparação. Corridas – Saltos – Lançamentos
ilustrado
exemplar estimado, capa envelhecida; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, novembro 23, 2022

Declaração de Guerra às Forças Armadas e Outros Aparelhos Repressivos do Estado

 

CUSTÓDIO LOSA [MAJOR DISSIDENTE]
capa de E. Medeia


Lisboa, 1979
Edições Antígona
1.ª edição [única]
210 mm x 110 mm
52 págs. + 1 folha em extra-texto
capa perfurada como as caixas-brinde de uma empresa chocolateira da época
exemplar como novo
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do livro de abertura no catálogo de um conhecido editor de Santarém estabelecido na capital. Diz o «Prefácio dos Editores», logo nas primeiras páginas, que o respectivo original desta Declaração de Guerra terá sido apanhado do chão num bar rasca do Cais do Sodré, e que, dada a natureza «radical» do mesmo, logo o apadrinharam como farol do que viria a ser a marca linguaruda das Edições Antígona. E mais diz ao que vinha esta Antígona: «[…] Nunca demos especial importância à cultura […]. Seria, porém, um purismo infantil, não utilizar a arma do livro (uma mercadoria como outra qualquer) para publicitar as experiências de corte radical com este mundo. Só realizando a mercadoria se pode superá-la e só superando-a se pode realizá-la. […]» E assim sendo, servindo-se à larga da anti-cultura, nunca mais, até aos dias de hoje, o conhecido editor das Edições Antígona parou de «realizar a mercadoria», enquanto espera o milagre económico da sua «superação». Se, na altura, em vez de livros, tivesse optado por tampas de panelas, ou o fabrico de cartuxos com pólvora seca, o resultado, em termos de oposição subversiva aos «aparelhos repressivos do Estado», teria, necessariamente, sido idêntico. Faltou-lhes, aos “editores” da Antígona perceber que a publicação de livros dissidentes, «(uma mercadoria como outra qualquer)», apenas serve de registo e sinal de existência de um diverso modo de estar no mundo: a lenta e insinuante superação da vida quotidiana no seio do capitalismo. Não existindo – porque não existe mesmo – marginalidade nas sociedades com economias de mercado, convém não pôr a carroça à frente das bestas.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Problemas Sociais

 

MANUEL RODRIGUES, doutor

Lisboa, 1943
Edições «Ática», Limitada
1.ª edição
196 mm x 135 mm
XXVIII págs. + 344 págs.
subtítulo: Questões políticas
exemplar estimado; miolo irrepreensível
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Corporações Já Instituídas

 

JOAQUIM PAULO DIAS DA SILVA PINTO

Lisboa, 1961
[Corporação da Indústria]
1.ª edição
201 mm x 148 mm
116 págs.
subtítulo: Análise da sua estrutura e funcionamento
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DO AUTOR
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do texto de uma comunicação ao primeiro Colóquio Nacional do Trabalho, realizado sob a égide da Organização Corporativa e da Previdência Social.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Morte Sem Mestre


HERBERTO HELDER

Porto, 2014
Porto Editora
1.ª edição
20,7 cm x 14,7 cm
64 págs. + 1 CD
encadernação editorial com sobrecapa
exemplar como novo (selado)
160,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se do livro de estreia de Herberto Helder (1930-2015) num grande empório editorial. Mas é também o começo da despedida do poeta, que falecerá menos de um ano depois. Afortunadamente, alguém teve o bom senso de registar em suporte digital a sua magnífica voz a ler cinco destes últimos poemas, entre os quais o pungente «a última bilha de gás durou dois meses e três dias», o que só veio enriquecer esta edição.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Os Passos em Volta


HERBERTO HELDER
capa de Manuel Rosa sobre gravura rupestre

Lisboa, 1980
Assírio e Alvim
4.ª edição («emendada»)
19 cm x 15,8 cm
200 págs.
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível
inclui a rara cinta editorial
60,00 eur (IVA e portes incluídos)

Ventila a História da Literatura Portuguesa (António José Saraiva / Óscar Lopes, Porto Editora, 15.ª ed., Porto, 1989) que HH «[deveria] aliás a primeira notoriedade a Os Passos em Volta, [...], livro de contos, ou antes, livro onde a sua fantasia se disciplina por um mínimo de enredo e de referências sociais objectivas, vencendo as excessivas facilidades de um transcendentalismo que ainda algo tem de romântico. [...]» Opinião ligeira, muito pouco materialista dialéctica, que em nada destoa das fichas de apontamentos dos serviços de leitura da Gulbenkian, em que por três vezes o sebastianista António Quadros mais não consegue dizer, das sucessivas edições do livro, do que «Os seus contos, quase todos auto-biográficos, narram episódios de vagabundagem intelectual na Holanda, na França, e na cidade, em Lisboa. O seu tema é o isolamento do homem, as suas vagas aspirações, ainda indefinidas, os seus sonhos, os seus ideais imprecisos. [...]» Promessas que, segundo o oráculo de Quadros, lhe permitiam «augurar boas possibilidades de expressão novelesca no futuro»... Viu-se.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


O Corpo o Luxo a Obra




HERBERTO HELDER
ilust Carlos Ferreiro

Lisboa [aliás, Porto], 1978
& etc [aliás, Contraponto]
2.ª edição [aliás, contrafacção da 1.ª edição]
175 m x 152 mm
24 págs. + 4 págs. em extra-texto + 1 folha em extra-texto
impresso sobre papel superior verde marinho
acabamento com dois pontos em arame
exemplar estimado; miolo limpo
PEÇA DE COLECÇÃO
170,00 eur (IVA e portes incluídos)

Zangaram-se muito. Por causa desta contrafacção. Autor, editor legítimo (Vitor Silva Tavares) e editor pirata (Luiz Pacheco). Com polícia judiciária de permeio e tudo!... E tudo por causa da assumida, por parte do legítimo, baixa tiragem e reedição para nunca, da obrinha de HH. E tudo por causa da gula invejosa do pirata. Talvez também Estela Guedes, então jornalista do Diário Popular, haja ficado um pouco agastada. Mas a todos depressa lhes passou. Estava-se em 1978, quando tudo ainda era possível. Quando tal e tanto o desleixo do pirata, que duas gralhas cantavam nas escassas 4 linhas da ficha técnica na contracapa. Faz a diferença. Entre editores.
O poema, propriamente escrito, inaugurava na casa editora & etc a colecção Subterrâneo Três, que viria a ser uma referência cultural incontornável. Sendo que o mesmo, de par com Cobra e com Flash, no contexto da obra de Helder, faziam a ponte para o futuro literário do escritor.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Sulco – Revista de Cultura Político-Social



[HERBERTO HELDER]

Lisboa, II série – Ano I – n.º 2, Junho-Julho de 1965
Centro de Estudos Político-Sociais da União Nacional (C.E.P.S.)
ed. Virgílio Cruz
22,5 cm x 15,4 cm
168 págs. (numeração contínua: págs. 121 a 288)
exemplar estimado; miolo limpo
30,00 eur (IVA e portes incluídos)

A curiosidade deste número isolado desta revista de extrema-direita reside no facto de aí figurar uma tradução de Herberto Helder, o artigo «Julgamento de um jovem poeta russo – o processo de Josef Brodsky». Entre o declínio habitual neste tipo de imprensa, assinado por gente retrógada como, por exemplo, Lumbrales, Rodrigues Cavalheiro ou João Ameal, ergue-se, traduzido da revista inglesa Encounter, o «relato quase integral das duas sessões que constituíram o julgamento, efectuado em Fevereiro e Março de 1964», que se saldou na condenação do dito escritor russo «à pena de cinco anos de trabalhos forçados». Na União Nacional devem ter rejubilado com uma peça de tal jaez anticomunista...
Iosif Aleksandrovich Brodski (1940-1996), poeta e ensaísta discípulo de Anna Akhmatova, viu-se envolvido por uma denúncia jornalística que classificava os seus versos como «pornográficos» e «anti-soviéticos», o que levou as autoridades policiais a interná-lo num manicómio e, posteriormente, a condená-lo em tribunal por «parasitismo». A importância que o protesto contra o seu aprisionamento ganhou para cá da Cortina de Ferro, apesar de não ter abalado o regime totalitário russo, culminou na comutação dessa pena.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Breve Tratado da Orthografia para os Que Naõ Frequentáraõ os Estudos

 

JOAÕ PINHEIRO FREIRE DA CUNHA

Lisboa, 1815
Na Typografia Lacerdina
«nona impreffaõ»
152 mm x 102 mm
2 págs. (folha de rosto, não num.) + VI págs. + 298 págs. + 28 págs. (índice remissivo, não num.)
subtítulo: Ou dialogos | Sobre as mais principaes Regras da Ortho- | grafia uteis para o Povo menos inftrui- | do, que dezeja acertar na praxe fem | grande multiplicidade de preceitos, que | naõ lhe faõ faceis de comprehender, e | muito mais proveitozos aos Meninos, | que frequentaõ as Efcolas.
encadernação coeva inteira em pele com rótulo gravado a ouro na lombada
exemplar com a capa muito envelhecida mas aceitável; miolo irrepreensível, papel sonante
90,00 eur (IVA e portes incluídos)

Segundo o Diccionario Bibliographico Portuguez, de Inocêncio Francisco da Silva (tomo IV, Na Imprensa Nacional, Lisboa 1860):
«João Pinheiro Freire da Cunha,
Professor de Grammatica Latina e Portugueza em Lisboa, sua patria. Instituiu em 1772 uma sociede com o titulo de Academia Orthographica, que durou por mais de trinta annos, e d’ella existe memoria em alguns trabalhos impressos. – N. a 23 de Abril de 1738, e ainda vivia em 1811, falecendo provavelmente n’esse anno, ou pouco depois. […]»

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Peças Bem Comportadas

 

Y. K. CENTENO
capa de Diniz Neto Jorge Gomes
ilust. Tóssan


Lisboa, 1982
& etc – Publicações Culturais Engrenagem, Lda.
1.ª eedição
175 mm x 153 mm
64 págs. + 1 extra-texto colada na pág. 2
ilustrado
capa impressa a castanho no lado rude de cartolina duplex, sobrecapa a três cores directas sobre papel kraft
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível
37,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Fontebela

 

FERNANDA DE CASTRO
capa de Manuel Lapa

Lisboa, 1973
Edição da Autora
1.ª edição
190 mm x 130 mm
264 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
VALORIZADO PELA DEDICATÓRIA MANUSCRITA DA AUTORA
37,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Cartas a um Poeta

 

RAINER-MARIA RILKE
trad. e pref. Fernanda de Castro

Lisboa, s.d. [1963, seg. BNP]
Portugália Editora
1.ª edição
197 mm x 132 mm
104 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

domingo, novembro 20, 2022

Le Vieux Paris

 

[A. (ALBERT) ROBIDA]

Paris, Abril de 1900
Exposition Universelle de 1900 [Imprimerie Artistique Ménard & Chaufour]
1.ª edição
texto em francês
162 mm x 114 mm
XVI págs. + 200 págs.
subtítulo: Guide historique, pittoresque & anecdotique
profusamente ilustrado
exemplar com a capa envelhecida e com restauro na lombada mas, no geral, aceitável; miolo limpo
assinatura de posse coeva de A. Cunha Rego
40,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

sexta-feira, novembro 18, 2022

No Caminho

 

ANTÓNIO CÂMARA
pref. Marcello Caetano

Lisboa, 1943 («ano XVII da revolução nacional»)
s.i. [ed. autor ?]
1.ª edição
186 mm x 124 mm
XII págs. + 218 págs.
subtítulo: Guiando uma emprêsa científica
exemplar estimado; miolo limpo
assinatura de posse no ante-rosto
30,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

História de um Cão de Circo


JACK LONDON
trad. Cabral do Nascimento
capa de Edmundo Muge

Lisboa, 1962
Editorial Minerva
2.ª edição
184 mm x 133 mm
272 págs.
exemplar muito estimado; miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


História de um Cão de Circo

 

JACK LONDON
trad. Telo de Mascarenhas


s.l. [Lisboa], s.d.
Inquérito
1.ª edição
189 mm x 122 mm
264 págs.
encadernação editorial executada por Paulino Ferreira (filhos) inteira em papel goufrado com gravação a prata nas pastas e na lombada, cromo polícromo colado na pasta anterior
exemplar muito estimado; miolo limpo
20,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Manual do Lobito

 

BADEN-POWELL, lord
trad. José Francisco dos Santos


Lisboa, 1965
Edições Flor de Lis | Corpo Nacional de Escutas
2.ª edição
188 mm x 123 mm
256 págs.
profusamente ilustrado
capa impressa sobre pano com suporte de cartolina
exemplar estimado; miolo irrepreensível
22,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Juventude de Baden-Powell

 

ARTHUR CATHERALL
trad. Maria Selene Santos
capa de José Antunes
ilust. Manuel Ferreira


Lisboa, s.d. [1970, seg. BNP]
Editorial Verbo, S.A.R.L.
1.ª edição
185 mm x 147 mm
172 págs.
ilustrado
cartonagem editorial
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
22,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Pista do Tesouro

ADOLFO SIMÕES MÜLLER
capa e ilust. Fernando Bento


Porto, 1975
Livraria Tavares Martins
1.ª edição
220 mm x 160 mm
164 págs.
subtítulo: Baden-Powell e o escutismo
profusamente ilustrado a cor
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Auxiliar do Chefe-Escuta

 

BADEN-POWELL, lord
trad. José Francisco dos Santos


s.l. [Lisboa], 1944
Publicado por «Edições Flor de Lis» | Associação dos Escuteiros de Portugal e Corpo Nacional de Escutas
1.ª edição
198 mm x 139 mm
104 págs.
subtítulo: Guia dos chefes sobre a pedagogia escutista
ilustrado
exemplar muito estimado; miolo irrepreensível
22,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Antologia de Humor Russo

 

aa.vv.
org. e trad. José Vilhena

Lisboa, s.d.
Specil
1.ª edição
169 mm x 121 mm
144 págs.
ilustrado
exemplar em muito bom estado de conservação; miolo irrepreensível
27,00 eur (IVA e portes incluídos)

Inclui contos, entre outros autores, de Gogol, Dostoiewki, Tchekov, Zamiatin, etc.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Inquérito Operário e Luta Política

 

MAO TSETUNG
org., trad. e pref. Amadeu Lopes Sabino, e Sebastião Lima Rego

Lisboa, 1971
Cadernos da Prática 1 (edição dos tradutores)
1.ª edição
229 mm x 155 mm
76 págs.
acabamento com dois pontos em arame
exemplar em bom estado de conservação; miolo irrepreensível
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Para além do texto-prefácio editorial e de um outro de Karl Marx, que configuram o título desta colectânea, constitui a brochura um conjunto temático de escritos de Mao Tsetung.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

A Caça aos Coelhos

 

FERNANDO LOPES GRAÇA

Lisboa, s.d. [1930]
Imprensa Moderna
1.ª edição
236 mm x 164 mm
72 págs.
subtítulo: O último tiro – Conclusão e documentação da polemicada com Rui Coelho
exemplar com a capa envelhecida; miolo limpo
22,00 eur (IVA e portes incluídos)

Trata-se da reunião de artigos de Lopes Graça publicados em primeira mão no jornal República. Visavam os ditos o músico Rui Coelho, dito «compositor nacionalista». E segundo o probo Lopes Graça, produzia esse dito Coelho «[…] Obras novas compostas de retalhos anteriores; programas não integralmente cumpridos; orquestra truncada; execuções pavorosas por deficiência de ensaios, dando a impressão de leituras à primeira vista; executantes que não podem estar até fim do programa; substituições inverosímeis, (como esta de, no concêrto de domingo, um violino ter de executar uma parte de flauta por o executante dêste instrumento se ter retirado) – são assim os concêrtos do sr. Rui Coelho. […]» Um apregoado «compositor nacionalista»!

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Anthero de Quental in Memoriam



aa.vv.

Porto, 1896
Mathieu Lugan, Editor
1.ª edição
255 mm x 172 mm
528 págs. + XXII págs. + XCVI págs. + XXXII págs. + 8 págs. + 2 folhas em extra-texto (retratos de Antero)
encadernação inteira em pele com gravação a ouro nas pastas e na lombada
aparado somente à cabeça
conserva as capas e a lombada da brochura
exemplar estimado, pele envelhecida na lombada; miolo limpo
assinatura de posse no verso do frontispício
180,00 eur (IVA e portes incluídos)

Para além das homenagens assinadas por companheiros de geração, como Eça, Junqueiro, João de Deus, Batalha Reis, Carolina Michaëlis, Oliveira Martins ou Manuel de Arriaga, são relevantes, em apêndice, o estudo de Ernesto do Canto, acerca dos brasão e genealogia da família Quental, e o longo ensaio bibliográfico por Joaquim de Araújo.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


quinta-feira, novembro 17, 2022

Os “Medos” da Avó Antónia

 

ALICE OGANDO
capa de Carlos Alberto Santos

Lisboa – Porto – Luanda – Lourenço Marques, s.d. [circa 1960]
Agência Portuguesa de Revistas [Edição de Aguiar & Dias, Lda.]
1.ª edição
152 mm x 106 mm
144 págs.
ilustrado
da colecção Cinco Brancos e um Preto
exemplar muito estimado; miolo limpo
assinatura de posse na pág. 5
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Inspirada no sucesso das aventuras de Os Cinco…, de Enid Blyton, a escritora Alice Ogando (1900-1981) “inventou” a sua própria série juvenil, a Cinco Brancos e um Preto, não sendo o preto o cão, mas uma das crianças.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Os Meninos Diabólicos

 

ALICE OGANDO
capa de Carlos Alberto Santos

Lisboa – Porto – Luanda – Lourenço Marques, s.d. [circa 1960]
Agência Portuguesa de Revistas [Edição de Aguiar & Dias, Lda.]
1.ª edição
150 mm x 106 mm
128 págs.
ilustrado
da colecção Cinco Brancos e um Preto
exemplar muito estimado; miolo limpo
assinatura de posse na pág. 7
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Não confundir com magnífico Os Meninos Diabólicos de Jean Cocteau, que circulava nas livrarias portuguesas pelo menos desde os anos 40, em tradução de João Gaspar Simões.

pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089

Grammatica Portugueza Elementar

 

THEOPHILO BRAGA

Porto | Rio de Janeiro, 1876
Editora Livraria Portugueza e Estrangeira
1.ª edição
190 mm x 121 mm
XII págs. + 154 págs.
subtítulo: Fundada sobre o methodo historico-comparativo
exemplar estimado, capa envelhecida com restauro na lombada; miolo limpo, ocasionalmente por abrir
27,00 eur (IVA e portes incluídos)


pedidos para:
pcd.frenesi@gmail.com
telemóvel: 919 746 089