sábado, dezembro 29, 2012

Horas de Combate


GUERRA JUNQUEIRO
pref. Mayer Garção

Porto, 1924
Livraria Chardron, de Lélo & Irmão, Ld.ª, editores
1.ª edição (textos reunidos)
18,8 cm x 12,2 cm
LXXVIII págs. + 82 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo, parcialmente por abrir
assinaturas de posse sobre a capa e na pág. V
30,00 eur

Abílio Manuel Guerra Junqueiro havia falecido há poucos meses; este volume póstumo parece surgir, à pressa, mais motivado pelo estudo de Mayer Garção do que pela divulgação da obra do poeta republicano.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Horas de Luta



GUERRA JUNQUEIRO
pref. Mayer Garção

Pôrto, s.d. [circa 1924]
Livraria Lello, Limitada – editora proprietária da Livraria Chardron
[2.ª edição (textos reunidos, sendo Horas de Combate a 1.ª edição)]
19,4 cm x 13,2 cm
L págs. + 198 págs.
impresso sobre papel superior algodoado
encadernação editorial sobre tela encerada com gravação a ouro e relevo seco em ambas as pastas e na lombada
exemplar em bom estado de conservação; miolo no geral limpo, com ocasionais picos de oxidação
40,00 eur

O vertente volume amplia em muito aquilo que em 1924, sob o título Horas de Combate e com o mesmo prefácio de Mayer Garção, havia já sido reunido, a fim de dar a conhecer, conjuntamente, momentos em que o poeta, ao serviço da causa republicana, mais panfletário se erguia na palavra e no tom. Um dos problemas dessa outra edição residia precisamente na exiguidade do corpo de texto de Guerra Junqueiro ante o desmesurado, todavia correcto, texto do prefaciador. Daí, considerar-se a vertente edição um livro tanto mais doseado como representativo do vate.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, dezembro 26, 2012

O Doge



ALEXIS-CHRISTIAN VON RÄTSELHAFT UND GRIBSKOV, arquiduque
trad. de M. S. Lourenço

Lisboa, 1962
Livraria Morais Editora
1.ª edição
19,8 cm x 12,8 cm
100 págs.
capa impressa a duas cores e relevo seco
exemplar manuseado mas aceitável; miolo limpo
40,00 eur

Veneza, a Sereníssima, na época de Carlos V, é aqui evocada num breve relâmpago de prosa poética, que o filósofo e poeta M. S. Lourenço – disfarçado sob a capa do dito arquiduque –, neste seu segundo livro, utiliza como suporte cénico renascentista para uma intriga de amor libertino.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, dezembro 25, 2012

Branca-Flor e Flôres



LUÍZ CHAVES

Coimbra, 1940
Instituto de Coimbra
1.ª edição
24,8 cm x 17 cm
40 págs.
subtítulo: Romances das Guerras com os Mouros – Versões Trasmontanas (Notas Folclóricas)
exemplar estimado; miolo limpo
ocasionais carimbos da Sociedade de Língua Portuguesa
valorizado pela dedicatória manuscrita do Autor
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

Estudo comparado das diferentes versões das «memórias folclóricas da Reconquista cristã da Ibéria em que Portugal brotou». Começa por dizer, sucintamente, Luís Chaves:
«[...] O Romantismo desenvolveu o medievalismo e, com êle, as tradições populares: a fase foi representada entre nós por Garrett, com o Romanceiro, que contém trinta e sete espécies.
O positivismo levou Teófilo Braga aos problemas das origens: entre os estudos o da formação da pátria na sua constituïção étnica, na caracterização folclórica e na evolução histórica [...]; daí nasceu o Romanceiro Geral.
O desenvolvimento dos estudos folclóricos, se aproveitou o trabalho anterior, criou orientação nova de trabalho científico. [...]»

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

segunda-feira, dezembro 17, 2012

Carta dirigida a Salustio, amador de antiguidades


A. D. DE CASTRO E SOUZA, abade

Lisboa, 1839
Typographia de A. S. Coelho
1.ª edição
19,4 cm x 12,4 cm
VIII págs. + 36 págs.
acabamento em cadernos soltos cosidos à linha
encontra-se no estado físico em que circulou na época, sem capas, portanto
exemplar estimado com alguma sujidade nas páginas exteriores; miolo limpo
rubrica e carimbo de posse de Ricardo Severo na folha de título
30,00 eur

Estudo histórico, descritivo e circunstanciado «[...] de quatro cousas: primeira da Biblia, chamada vulgarmente dos Monges Jeronimos: segunda do Missal, que se guarda na Bibliotheca do extincto Convento de N. Senhora de Jesus, que foi dos Religiosos Terceiros de S. Francisco, e hoje pertence á Academia Real das Sciencias: terceira de como veio a Portugal o famoso Quadro, que representa a St.ª Virgem, obra do insigne Pintor, Chefe da Escola Romana, [...] Rafael Sanzio, d’Urbino, cujo Quadro estava no Real Seminario de Brancanes, e actualmente se conserva na Aula de Pintura Historica, na Acedemia das Bellas Artes; e quarta a Capella de S. João Baptista, que está collocada na Igreja de S. Roque. [...]» (Inocêncio Francisco da Silva)

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, dezembro 11, 2012

O Alcoolismo – Estudo Médico-Social



NUNO SILVESTRE TEIXEIRA

Funchal, 1899
Typographia «Esperança»
1.ª edição
18,9 cm x 13,5 cm
244 págs.
encadernação modesta de amador em tela encerada e papel de fantasia, gravação a ouro na lombada
sem capas de brochura
exemplar estimado; miolo limpo
22,00 eur


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Breve Estudo Sobre o Alcoolismo



JULIO HENRIQUE LIMA DA FONSECA

Porto, 1900
Imprensa Portugueza
1.ª edição
22,3 cm x 15,6 cm
92 págs.
subtítulo: Dissertação inaugural apresentada e defendida perante a Escola Medico-Cirurgica do Porto
exemplar estimado, com restauros na lombada; miolo limpo
17,00 eur

Detalhado estudo, cobrindo os conhecimentos históricos, a prática e doenças derivadas, as consequências sociais do alcoolismo e seu tratamento.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089